Seja Bem Vindo ao Maior Portal de Estudos do Preterismo Completo do Brasil Para a Glória de Deus!

Postados até aqui...

Loading...

Translate

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

A Segunda vinda de Jesus no livro de Mateus, Parte 1

                                                         
                                                                  Mateus 3:1-12
“E, NAQUELES dias, apareceu João o Batista pregando no deserto da Judéia, E dizendo: Arrependei-vos, porque é chegado o reino dos céus. Porque este é o anunciado pelo profeta Isaías, que disse: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, Endireitai as suas veredas. E este João tinha as suas vestes de pelos de camelo, e um cinto de couro em torno de seus lombos; e alimentava-se de gafanhotos e de mel silvestre. Então ia ter com ele Jerusalém, e toda a Judéia, e toda a província adjacente ao Jordão; E eram por ele batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados. E, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus, que vinham ao seu batismo, dizia-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento; E não presumais, de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão; porque eu vos digo que, mesmo destas pedras, Deus pode suscitar filhos a Abraão. E também agora está posto o machado à raiz das árvores; toda a árvore, pois, que não produz bom fruto, é cortada e lançada no fogo. E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ele vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo. Em sua mão tem a pá, e limpará a sua eira, e recolherá no celeiro o seu trigo, e queimará a palha com fogo que nunca se apagará.”


Provavelmente nenhum tema é debatido e discordado mais no cristianismo do que a segunda vinda de Cristo. Em minha opinião, essa confusão é devido à falta de compreensão hermenêutica. Os cristãos de hoje simplesmente não sabem como interpretar as Escrituras. Assim, para as próximas semanas vamos estar a olhar para o que Mateus tem a dizer sobre a segunda vinda de Cristo.
Os dois primeiros capítulos do Evangelho de Mateus lida com os eventos que rodearam o nascimento de Jesus Cristo. O Capítulo 1 mostra que Cristo é da linhagem de Davi apresentado para ser o herdeiro do trono de Davi. O capítulo 2 apresenta a adoração a Ele concedida pelos sábios do oriente, que honravam com presentes Um merecido nasceu de um governador.
Ao chegarmos aos eventos de Mateus 3, Jesus está com cerca de 30 anos de idade. Mateus agora quer apresentar-nos a pessoa que tem a responsabilidade de apresentar Jesus Cristo como o Messias para a nação de Israel. Afinal, Jesus Cristo é o Rei, o Messias. Como tal, é justo que ele tenha, alguém que venha anunciá-Lo e preparar o caminho para ele.
Sem qualquer contexto, temos o maior de todos os profetas do Antigo Testamento que apresenta-nos em:
Mateus 3:1 “Naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judéia, João Batista entra em cena como um profeta de Deus depois de 400 anos de silêncio. Deixe-me dar um pouco de fundo aqui para que você possa entender o significado do aparecimento de João em relação à segunda vinda de Cristo.
O Canon do Antigo Testamento termina com o livro de Malaquias. O livro de Malaquias é uma advertência longa e terrível a nação de Israel. Malaquias é o profeta da desgraça!
Malaquias 3:5 E chegar-me-ei a vós para juízo; e serei uma testemunha veloz contra os feiticeiros, contra os adúlteros, contra os que juram falsamente, contra os que defraudam o diarista em seu salário, e a viúva, e o órfão, e que pervertem o direito do estrangeiro, e não me temem, diz o SENHOR dos Exércitos.
Malaquias 4:1 PORQUE eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como a palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o SENHOR dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo.
Que esta não é uma ameaça vaga e sem sentido é evidente que não, a partir dos termos definidos e distintos em que é anunciado. Tudo aponta para uma crise que se aproxima na história da nação em que Deus iria infligir julgamento sobre o seu povo rebelde. "O dia" estava chegando - o dia em que deve "queimar como um forno". Este período é mais precisamente definido como "o grande e terrível dia do Senhor":
Malaquias 4:5 (NVI) Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o dia grande e terrível do Senhor.
Este "dia" refere-se a um determinado período e um evento específico, é claro! Jesus nos diz que o Elias previsto que estava por vir antes de "o dia grande e terrível do Senhor" foi João Batista:
Mateus 11:14 (NVI) "E se você estiver disposto a recebê-lo, ele é o Elias que há de vir.
Isso nos permite determinar o tempo do evento conhecido como "o grande e terrível dia do Senhor." Deveria ser no período de João Batista. Parece claro que a alusão é ao juízo da nação judaica no ano 70 DC, quando a sua cidade e o templo foram destruídos, e todo o tecido do judaísmo foi dissolvido.
Malaquias representa João como o precursor do juiz que viria
Malaquias 3:1 EIS que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; e de repente virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais; e o mensageiro da aliança, a quem vós desejais, eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos. Este é aquele que viria para o julgamento, isso é claro a partir das palavras que se seguem onde descrevem o alarme e consternação causada por sua vinda:
Malaquias 3:2 (NVIlavadeiros.
Isso não está falando sobre a primeira vinda de Cristo, mas Sua segunda vinda. Há uma alusão a esta passagem distintas em: Apocalipse 6:15-17 E os reis da terra, e os grandes, e os ricos, e os tribunos, e os poderosos, e todo o servo, e todo o livre, se esconderam nas cavernas e nas rochas das montanhas; E diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro; Porque é vindo o grande dia da sua ira; e quem poderá subsistir?
É claro que o "dia da sua vinda", em Malaquias 3:1, é o mesmo que "o grande e terrível dia do Senhor", no cap. 4:5, e que ambos estão se referindo a "'o grande dia da sua ira" em Apocalipse 6:17. Podemos ver isto que o profeta Malaquias fala, não da primeira vinda de nosso Senhor, mas da segunda. E a segunda vinda é manifesta no período do tempo de João Batista.
O Que Malaquias está falando da segunda vinda de Cristo está ainda provado pelo fato significativo que, no capítulo 3:1, o Senhor é representado como "de repente virá ao seu templo." Que, de acordo com o versículo 2, é uma ocasião de terror e consternação "Mas quem suportará o dia da sua vinda?" Esta expressão fala de sua segunda vinda em julgamento. O templo era o centro da vida da nação, o símbolo visível da aliança entre Deus e o Seu povo, era o local onde "o julgamento fosse ocorrer", a súbita vinda "repentina destruição". do Senhor ao seu templo, o desânimo presentes no dia da sua vinda, a Sua vinda como "fogo do ourives", a Sua vinda "perto deles para o julgamento", "o próximo dia que arderá como um forno", "queimando os ímpios dês de a raiz e os ramos ", e o aparecimento de João Batista, o segundo Elias, anterior à chegada do" dia grande e terrível do Senhor ", deixam claro que o profeta Malaquias aqui prediz a destruição de Jerusalém no ano 70, quando Cristo voltou em julgamento sobre a nação de Israel.
Devemos entender que a profecia de Malaquias tem uma referência distinta e específica para a terra de Israel. A mensagem do profeta é a Israel; os pecados que são condenados são os pecados de Israel, a vinda do Senhor está ao seu templo em Israel, a terra ameaçada com a maldição é a terra de Israel. Tudo isso aponta para uma catástrofe específica local e nacional. A história registra o cumprimento da profecia, em correspondência exata de tempo, lugar e circunstância, na destruição de Jerusalém em 70 dC.
Os quatro séculos entre a conclusão do Antigo Testamento e o começo do Novo são um espaço em branco na história da Escritura. Durante este período, sinagogas foram estabelecidas por toda a terra, e o conhecimento das Escrituras foi amplamente estendido. Grandes escolas religiosas dos fariseus e saduceus surgiram ambos professando serem expositores e defensores da lei de Moisés. Acima de tudo, a nação acalentada a esperança de um libertador que viria um descendente da casa real de Davi, que devesse ser o rei teocrático, o libertador de Israel do domínio dos gentios. Porem, na maioria das vezes, a concepção popular do futuro rei era terrena e carnal. Em 400 anos Não houve qualquer melhora na condição moral do povo, e, entre o formalismo dos fariseus e do ceticismo dos saduceus, a verdadeira religião tinha afundada a seu nível mais baixo. Havia ainda, no entanto, um remanescente fiel que tinha concepções mais verdadeira do reino dos céus, e que esperavam a redenção em Israel. Como o tempo se aproximava, havia indícios de o retorno do espírito profético, e premonições que o libertador prometido estava próximo. Simeão recebeu a garantia de que antes de sua morte, ele veria o ungido do Senhor; uma revelação semelhante parece ter sido feito para a profetisa Ana. Tais revelações, é razoável supor, deve ter despertado grande expectativa nos corações de muitos e preparou-os para o grito que logo após foi ouvido no deserto da Judéia: "Arrependei-vos, porque o reino dos céus está próximo" A profeta novamente em Israel levantei!
Não há nada mais claramente afirmado no Novo Testamento do que a identidade de João Batista como o Elias de Malaquias:
Mateus 17:10-12 (NVI) E os seus discípulos perguntaram-lhe, dizendo: "Por que então os escribas dizem que Elias deve vir primeiro?" 11 Jesus respondeu, e disse-lhes: "Em verdade Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas. 12" Mas digo-vos que Elias já veio, e eles não o conheceram, mas fizeram-lhe tudo o que quiseram. Do mesmo modo o Filho do homem também está prestes a sofrer nas suas mãos. "13 Então os discípulos compreenderam que Ele lhes falava de João Batista.
Os discípulos conheciam a profecia sobre Elias, aparentemente eles pensaram que seria cumprida fisicamente. Na verdade, foi cumprida, mas não estava fisicamente cumprida. João veio no espírito de Elias. Falando a Zacarias e sua esposa Isabel, o anjo disse:
Lucas 1:17 (NVI) "Ele vai adiante dele no espírito e poder de Elias, para converter os corações dos pais aos filhos, e os rebeldes à sabedoria dos justos, a fim de preparar um povo disposto para o Senhor. "
Os judeus esperavam o reaparecimento do Elias literal, e João responde a essa noção equivocada em:
João 1:21 (NVI) E perguntaram-lhe: "O que então? Você é Elias?" Ele disse, "eu não sou." "Você é o Profeta?" E ele respondeu: "Não."
Jesus está dizendo a eles se você quiser entender a segunda vinda de Elias, você tem que olhar para o espiritual.
Mateus 11:13-14 (NVI) "Porque todos os profetas e a lei profetizaram até João. 14." E se você estiver disposto a recebê-lo, ele é o Elias que há de vir.
Assim, vemos que João Batista é o cumprimento da profecia da vinda de Elias antes do grande e terrível dia do Senhor.
John vem pregando com uma proclamação:
Mateus 3:2 (NVI) e dizendo: "Arrependei-vos, pois o Reino dos céus está próximo!"
João disse-lhes que o motivo foi tão crucial para que se arrependessem, porque "... o reino dos céus está próximo",significando uma expressão que se aproxima. A mesma expressão é usada no final do Evangelho, quando Jesus se aproximava de Jerusalém. Isso indica que algo estava prestes a acontecer. Estava perto. João está dizendo que eles precisam se arrepender, porque este reino estava bem próximo - um reino que seria implantado pelo Messias.
Todos os judeus estavam familiarizados com este acontecimento a partir das Escrituras do Antigo Testamento. Eles sabiam que a primeira coisa que ocorreria sobre o reino seria um julgamento daqueles que não se arrependeram. Eles sabiam que o reino seria estabelecido pelo Messias, que iria começar a julgar os rebeldes no país e excluindo-os de seu reino.
Mateus descreve a aparição de João, vestido de sua é uma reminiscência de um ministério profético:
Mateus 03:04 (NVI) E o próprio João estava vestido com pêlos de camelo, com um cinto de couro na cintura, e sua comida era gafanhotos e mel silvestre.
João é identificado como um profeta, especialmente com o ministério de Elias. Ministério de Elias a Acazias é registrada em 2 Reis 1. O rei ficou doente após uma lesão e decidiu inquirir os falsos deuses se ele iria se recuperar de sua doença. Mas Elias, o profeta de Deus, interceptou a sua mensagem:
2 Reis 1:3-4 (NVI) Mas o anjo do Senhor disse a Elias, o tisbita, "Levanta-te, sobe para te encontrares com os mensageiros do rei de Samaria, e dize-lhes: 'É porque não há Deus em Israel que você está indo para consultar a Baal-Zebube, deus de Ecrom? 4 "Agora, pois, assim diz o Senhor: Portanto da cama, a que subiste, não descerás, mas sem falta morrerás.
" "Então Elias partiu.
Depois que Acazias recebeu a noticia que ele iria morrer, o rei pediu uma descrição do homem que deu a mensagem sobre a morte:
2 Reis 1:8 (NVI) Então eles lhe responderam: "Um homem peludo usando um cinto de couro na cintura." E ele disse: "É Elias, o tisbita."
Pelo fato de o profeta ter se vestido de pêlo e está amarrado com um cinto de couro em torno da cintura, o rei imediatamente reconhece este como o vestido do profeta Elias. Assim, quando Mateus descreve o vestido de João, ele identifica-o como um profeta em conexão com o ministério de Elias.
Depois de descrever as roupas de João no versículo 4 de Mateus 3 continua então o texto a descrever a resposta do povo a sua mensagem em: Mateus 3:5 (NVI) Então Jerusalém e toda a Judéia, e toda a região ao redor do Jordão iam ter com ele A fim de compreender o significado do que estava acontecendo, é importante atentar para a imagem desta cena tremenda. Alguns comentaristas estimam que poderia ter havido entre 200.000 e 500.000 pessoas que participaram do ministério de João, desta forma. Mateus não está descrevendo a aparentemente uma meia dúzia de pessoas que seguiram a João. Este profeta entrou em cena de maneira impressionante que depois que o Espírito de Deus tinha preparado o coração do povo, a nação inteira reconhecia João como um profeta, e os líderes ainda temiam após a sua morte por causa do respeito do povo para com ele como um profeta.
Em Mateus 3:7, João começa a confrontar os líderes religiosos de sua época. Os dois grupos de líderes em Israel eram conhecidos como os fariseus e saduceus. Esta é a sua primeira aparição no Evangelho de Mateus, onde eles são vistos como hipócritas religiosos. Mateus escreveu:
Mateus 3:7 (NVI) Mas, vendo ele muito dos fariseus e saduceus que vinham ao seu batismo, disse-lhes: "Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira vindoura?
João, vestido como um profeta com a mensagem de um profeta, veio com a mesma abordagem dos profetas.
Os fariseus e saduceus tinham grande orgulho de suas tradições religiosas. Os fariseus eram os conservadores da nação. Eles eram tradicionalistas e separatistas. Eles não acreditavam na mistura do judaísmo com a cultura grega, mas sim o pensamento que os judeus devessem continuar a ser um grupo distinto de pessoas separadas de todos e tudo mais. Os fariseus eram os guardiões das Escrituras, mas eles acreditavam nas Escrituras, além de tradições orais que eles acreditavam que haviam sido passadas por parte de Moisés. Como é sempre o caso, quando há pessoas que têm uma lealdade, tanto para as Escrituras e as tradições, as tradições logo substituem as Escrituras.
Em contraste com os fariseus eram os saduceus. Os saduceus não acreditavam na ressurreição, Nem acreditam no mundo espiritual. Eles nem mesmo acreditavam na vida após a morte, mas os saduceus eram o partido sacerdotal. Como grupo menor, em Israel, os saduceus controlavam o sacerdócio, o escritório do sumo sacerdote, era ocupada pelos saduceus. Que incrível! Os altos sacerdotes da nação de Israel não acreditavam na ressurreição dos mortos, de seres angelicais, ou na vida após a morte.
João dirigiu-se a eles como uma "raça de víboras" (Mateus 3:7). Cobras venenosas eram enganosos! Eles pareciam tão inofensivos, mas na realidade eles eram mortais. Tais acusações de João foram tremendamente ofensivas para os fariseus e saduceus, que se orgulhavam de ser tão acima do povo comum.
Falando aos fariseus e saduceus, John disse: "Quem vos ensinou a fugir da ira vindoura?" As palavras "por vir" são da palavra grega mello. O verbo grego "mello"significa: (no infinitivo) "estar prestes a" e "estar no ponto de" (ver Thayer, Arndt e Gingrich, Concordância grego inglês e Analytical Lexicon Harper grego). Portanto, João está dizendo na sua audiência do primeiro século: "Quem vos ensinou a fugir da ira do por vir?" A ira que João estava falando era a destruição de Jerusalém.
João estava tentando ensinar-lhes que as relações físicas eram inadequadas. João colocou seu dedo diretamente sobre o problema em:
Mateus 3:9 (NVI) "e não acho que dizer a si mesmos: 'Temos Abraão como nosso pai." Pois eu lhes digo que Deus é capaz de suscitar filhos a Abraão destas pedras.
Esses judeus tinham sido ensinados e tinha acreditado que todos os descendentes físicos de Abraão estavam indo para o reino. Portanto, tudo o que tinham a fazer para garantir que eles estavam indo para o reino foi traçar sua linhagem até Abraão. Mas João informou-lhes que ser um descendente físico de Abraão não tem nada a ver com entrar no reino. Deus pode até transformar pedras em filhos de Abraão se Ele quisesse. João estava dizendo que eles tinham chance de não mais do que pedras de entrar apenas por causa de sua relação com Abraão.
O que eu quero que você veja esta manhã é que o cerne da mensagem de João foi o tema do próximo julgamento. João anunciou no verso 2 que o reino dos céus estava próximo, o que significava que era muito próximo. O reino dos céus seria introduzido com um tempo de julgamento. João fala de que o julgamento em:
Mateus 3:10 (NVI) "E mesmo agora está posto o machado à raiz das árvores. Portanto, toda árvore que não der bom fruto será cortada e lançada ao fogo.
Para que o reino fosse consumado, deveria haver um tempo de julgamento. O machado está lá na raiz pronto para cortar qualquer árvore que não estaria a dar bons frutos. João coloca uma ênfase no fogo novamente nos versículos 11 e 12. Nesses versos, há uma referência à destruição de vinda.
Vários profetas do Antigo Testamento predisseram o julgamento anterior à glória do reino, e é por isso que João está advertindo que o machado está na raiz da árvore. Por causa do ensino dos profetas, os judeus estavam bem conscientes de que o reino estava a ser anunciada pelo julgamento. Isaías escreveu:
Isaías 4:4-5 (NVI) Quando o Senhor lavar a imundícia das filhas de Sião, e limpado o sangue de Jerusalém do meio dela, pelo espírito de justiça e pelo espírito de ardor, 5, em seguida, o Senhor criará acima de todo o lugar do Monte Sião, e, acima de suas assembléias, uma nuvem de fumaça e de dia e um resplendor de fogo flamejante de noite. Porque sobre toda a glória haverá uma cobertura.
A ordem é; primeiro julgamento, então a glória.
Ezequiel escreveu sobre trazer a nação de volta de Israel e estabelecê-los no reino:
Ezequiel 34:16 (NVI) "Eu vou buscar o que foi perdido e trazer de volta o que foi expulso, curar os quebrantados e fortalecer o que estavam doentes, porém eu vou destruir as gordas e as fortes, e alimentá-las em juízo."
A gorda e a forte foram alimentando-se dos fracos, então eles terião de enfrentar o julgamento de Deus. O julgamento é o elemento chave.
Malaquias, o último profeta em Israel até a época de João Batista, profetizou o julgamento em fogo:
Malaquias 4:1-2 (NVI) "Pois eis que o dia está chegando, queimando como um forno, e todos os soberbos, sim, todos os que cometem impiedade serão como palha. E o dia que vem os abrasará," diz o SENHOR dos Exércitos: "Isso não lhes deixará nem raiz nem ramo 2 Mas a vós que temeis o meu nome O Sol da Justiça se levantará com cura em suas asas; e saireis e saltareis como bezerros da estrebaria.
Nestas passagens, é difícil perder a ênfase no julgamento.
Os judeus da época de João sabiam dessas profecias do Antigo Testamento. Eles entenderam que, antes do reino ser consumado, o juízo de Deus cairia sobre os incrédulos, que seria erradicado do reino como o Messias estabeleceu seu governar e reino.
Mateus 3:11 (NVI) "Eu vos batizo com água, para arrependimento, mas aquele que vem após mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. O batismo com fogo, que João menciona no versículo 11, é o juízo que João elabora no versículo 12:
Mateus 3:12 (NVI) "Sua pá está na mão, e Ele vai limpar completamente a Sua eira e recolher seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível."
A pá aqui mencionada foi um instrumento de madeira usada para lançar o grão para o ar. O vento então soprava a palha mais leve, e o bom grão caía ao chão. A peneira joga o grão e a palha para o ar até que todos os joio tivesse soprado. Essa é a imagem que João está descrevendo aqui, onde o Messias "irá limpar completamente a Sua eira"(v.12). Em outras palavras, Ele vai peneirar o grão até que todos os joio esteja desaparecido. O julgamento será exaustivo e completo ", e Ele irá reunir o Seu trigo no celeiro". Em seguida, o aviso de novo ", mas Ele queimará a palha em fogo inextinguível". Julgamento Precedendo o Reino.
Em Mateus 13, Jesus explicou a parábola do joio e do trigo. Esta passagem é preparatória para a criação do reino aonde os anjos viriam e removeriam os ímpios. Este texto é paralelo com Mateus 24, quando dois estarão no campo, um será tomado e o outro será deixado. Nesse contexto, a uma tomada é aquela que seria tomada em julgamento.
Mateus 13:41-42 (NVI) "O Filho do Homem enviará os seus anjos, e eles ajuntarão do seu reino todos os escândalos e os que praticais a iniqüidade, 42" e vai lançá-los na fornalha de fogo . Ali haverá choro e ranger de dentes.
Versículos 49 e 50 continuam:
Mateus 13:49-50 (NVI) "Assim será no final da época. Os anjos sairão, e separarão os maus dentre os justos, 50" e lançá-los na fornalha de fogo. Ali haverá choro e ranger de dentes. "
Quando Jesus diz que os anjos sairão, e separarão os maus dentre os justos, e lançá-los na fornalha de fogo? ”Ele diz que isso aconteceria “no final da época”“. ”A KJV traduz erroneamente o seguinte:”. O fim do mundo “Mas a Bíblia não fala sobre o fim do mundo. A grande maioria das pessoas, cristãs e não cristãs, pensam que a Bíblia ensina que o mundo vai acabar. O fim do mundo é o tema de muitos livros e filmes, e há previsões infinitas quanto a quando e como isso vai acabar. Estamos constantemente informados de que o mundo vai piorar até que Deus venha a destrir. Mas este não é um ensinamento bíblico. A Bíblia ensina exatamente o oposto:
Gênesis 8:21-22 (NVI) E o SENHOR sentiu um aroma relaxante. Então disse o Senhor em Seu coração: "Eu nunca mais a amaldiçoar a terra por causa do homem, embora a imaginação do coração do homem é má desde a sua mocidade;. Nem vou novamente destruir todos os seres vivos como fiz 22" Enquanto a terra permanece sementeira e colheita, frio e calor, inverno e verão, dia e noite, não cessarão. "
As pessoas com isso dizem que o Senhor destruiu a terra pela água uma vez, e Ele vai destruí-lo pelo fogo da próxima vez. É promessa de Deus aqui para apenas mudar o seu método de destruir tudo? Existe um conforto em a terra ser destruída por um incêndio em vez de água? Ele vai ou prometendo não destruir a terra novamente?
Salmos 148:4-6 (NTLH) Louvai-o, céus dos céus, e as águas que estão acima dos céus! 5 Louvem eles o nome do Senhor, pois Ele ordenou e logo foram criados. 6 Ele também estabeleceu para todo sempre; Ele fez um decreto que não passará.
Deus fez um decreto relativo à criação do céu e da terra que nunca passará? Poderia ser isso Gênesis 8:21? Óbvio!Deus disse que ele nunca voltaria a destruir todos os seres vivos. Deus pode ser confiável, Ele mantém sua palavra.
Salmos 78:69 (NVI) E edificou o seu santuário como as alturas, como a terra que Ele estabeleceu para sempre.
Se Deus criou a Terra para sempre, como ela poderia terminar?
Salmos 119:90 (NVI) Sua fidelidade permanece por todas as gerações; Tu criaste a terra, e ela permanece.
Eclesiastes 1:4 (NVI) Uma geração passa, e outra geração vem, mas a terra permanece para sempre.
Parece que esses versículos ensinam que a terra vai durar para sempre.
A palavra traduzida por "mundo" na KJV é a palavra grega "aion", que significa: "a idade, dispensação, era, ou um período de tempo." Podemos compreender que uma idade pode acabar, mas o mundo ainda pode ir em frente. A Bíblia fala sobre o "fim dos tempos", mas nunca "fim do mundo".
Para os judeus, o tempo foi dividido em dois grandes períodos, a Idade Mosaica e a Era Messiânica. O Messias era visto como aquele que traria um novo mundo. O período do Messias era, portanto, corretamente caracterizado pela Sinagoga como "o mundo vindouro." Durante todo o Novo Testamento, vemos duas eras, em contraste: ". Vindouro" "Essa idade" ...
Mateus 12:32 (NVI) "Se alguém disser alguma palavra contra o Filho do Homem, será perdoado, mas se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste mundo nem no vindouro .
Assim, a idade que foi ao fim foi à era judia. Que iria acabar com a destruição do templo judeu de Jerusalém e a cidade. O fim da idade não aconteceu na cruz ou no dia de Pentecostes, mas à destruição de Jerusalém. O mundo não ia acabar, mas a idade do judaísmo sim. Os discípulos sabiam que a queda do templo e da destruição da cidade significou o fim da era da Antiga Aliança e a inauguração de uma nova era.
J. Stuart Russell escreveu:
Estes avisos de João Batista não são as exortações vagas e indefinidas para o arrependimento, dirigida aos homens em todas as idades, que às vezes se supõe ser, pois elas são urgentes, as palavras de juízo, que tem relação específica e apresentam-se sobre a geração então existente. A nação judaica estava agora em cima de sua última prova, o segundo Elias tinha vindo como o precursor do "dia grande e terrível do Senhor:" se eles rejeitaram suas advertências, a condenação prevista por Malaquias, certamente, e rapidamente se segue; "Eu vou e virei e ferir a terra com maldição. " Nada pode ser mais óbvio do que a catástrofe a que alude João de forma particular, nacional, local, e iminente, e a história nos diz que dentro do período da geração que escutou seu grito de alerta, "a ira caiu sobre eles até ao fim . "
A mensagem de João é de julgamento e é a primeira do século em Israel! O Messias, o juiz, está chegando, se arrependam! A vinda de Cristo não está em nosso futuro, mas no nosso passado. Cristo voltou em 70 dC trazendo juízo sobre a nação de Israel e trazer o reino de Deus.




Esta mensagem foi pregada por David B. Curtis,
Traduzido pelo Pr. Erivelto Soares.


Soli Deo Gloria

Nenhum comentário:

Seguir por e-mail

Comentários recentes