Seja Bem Vindo ao Maior Portal de Estudos do Preterismo Completo do Brasil Para a Glória de Deus!

Postados até aqui...

Loading...

Translate

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Entendendo a Profecia das 70 Semanas de Daniel

                                        
A profecia das 70 Semanas de Daniel tem sido uma das grandes profecias Bíblica que também apresenta o seu cumprimento no primeiro século da era cristã. É de admirar que inúmeros teólogos neguem isso, mais essa não é a questão. Quero então com Bíblia em mãos mostrar como ela aconteceu.
Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo, e sobre a tua santa Cidade, para cessar a transgressão, e para dar fim aos pecados, e para expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selar a visão e a profecia, e para ungir o Santíssimo. Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. E ele firmará aliança com
Muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a
Oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até a consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador. (Dn. 9:24-27)


Setenta semanas estão decretadas.

O tempo de setenta semanas é a soma de sete semanas por sete dias que é igual há 49 dias (7X7). Por simbologia profética esses dias são dias de Anos tornando-se 490 anos.


Lembre-se, o povo de Deus esteve em cativeiro na Babilônia neste tempo, por causa de sua rebelião espiritual contra Deus. Agora Deus está dizendo que foi lhes dado 490 anos para sua restauração. É importante observar que o desfecho da profecia é a ocorrência de seis resultados que seria manifesto sobre “O POVO DE DANIEL” e “A CIDADE DE DANIEL” (Daniel 9:24) A saber, os Israelitas e Jerusalém a conclamada santa cidade. (Observem o pronome possesivo no texto: TEU povo e TUA cidade) .


O 1º resultado se diz respeito ao cessar a transgressão.


O 2º resultado, para dar fim aos pecados.


O 3º resultado, para expiar a iniqüidade.


O 4º resultado, trazer a justiça eterna.


O 5º resultado, selar a visão e a profecia.


O 6º resultado, ungir o Santíssimo.


Até então vimos no que seria os resultados dentro das 70 semanas determinadas. No verso 25 e 26 temos a ordem dos acontecimentos.


Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos. E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações. Daniel 9:25-26




A ordem para restaurar e edificar Jerusalém foi dada por Artaxerxes em 457 A.C. (Esdras 7:13-27). Dos três decretos encontrados em Esdras, os três incluem a ordem para formar um governo com a construção do templo:

- No ano 538 a.C, o rei Ciro, após conquistar a Babilônia, expede um decreto a favor do povo de Israel. Esse decreto de Ciro é destinado ao retorno dos judeus à terra natal para reconstruir o Templo e restituir os utensílios sagrados pertencentes a ele (Esdras 1:1-8, Esdras 5:13-14).

- Anos depois, em 520 a.C, em função de um pedido de ajuda provindo de Jerusalém, Dario I, confirma a mesma ordem dada anteriormente por Ciro (Esdras 6:1-13).

- Mais de 70 anos depois, em 457 a.C, o rei Artaxerxes I emite um decreto, registrado em Esdras 7:11-23, objetivando ajudar no funcionamento do Templo em Jerusalém.

Jerusalém foi mais uma vez o centro espiritual e governamental para os judeus. Da ordem para restaurar e reconstruir Jerusalém em 457 A.C. 

Até o Ungido, o Príncipe vir seriam 7 semanas, mais sessenta e duas semanas. 7 semanas + 62 semanas = 69 semanas 

69 semanas x 7 dias/semanas = 483 dias simbólicos ou 483 anos.

Se de 483 anos, subtrairmos 457 A.C. nós estaremos no ano calendário 26 D.C. O tempo para a aparição do Ungido. Jesus foi ungido pelo Espírito Santo para Seu ministério no batismo. Ele foi batizado em 26 D.C. durante o décimo quinto ano do reinado de Tibério César (Lucas 3:1) O relógio profético de Deus tinha acertado, e Jesus apareceu no tempo que a Bíblia havia previsto! A Bíblia previu precisamente o exato ano do batismo de Jesus.
Depois que identificamos o ponto de partida ao Messias, temos então um acontecimento que favorece ainda mais a ordem cronológica da profecia.


E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias...


Levando em consideração as primeiras 7 semanas do verso 25, então temos 69 SEMANAS! Logo é extremamente nítido que o Senhor Jesus foi crucificado na SEPTUAGÉSIMA SEMANA!
Assim a morte do Messias estar claramente dentro do período de tempo das 70 semanas, visto que o Senhor Jesus é a figura principal do cumprimento da profecia e não a queda do templo como grande parte dos teólogos imaginam.


Os eventos envolvendo a destruição da cidade e do santuário com guerras e desolações são as conseqüências da morte do Messias! Esses eventos não ocorrem necessariamente no período do tempo das setenta semanas, eles são um adendo ao cumprimento do foco da profecia.
Então, após as setentas semanas, Israel é julgada, fazendo juízo ao resultado da morte do Messias. Foi nesse sentido que o Senhor Jesus disse: “E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias.” Mateus 24:22


Quais sãos os dias que foram abreviados que o Senhor Jesus se refere?
R- Os dias do cumprimento da profecia que viria ocorrer justamente na sua morte de cruz, beneficiando assim todos os seus escolhidos. Depois, como resultado dessa morte o julgamento de Israel que veio em 70 d.C!
Até o momento (Quando o Senhor Jesus falou os dizeres descrito em Mateus 24:22), apenas um resultado da profecia tenha sido executado:


Ungir o Santíssimo. Os dispensacionalistas imaginam que essa unção se refere a o templo e o preterísmo parcial refere essa unção a igreja no dia de pentecostes. São colocações equivocadas, pois o foco é o Messias na profecia das 70 semanas e não o templo e nem tão pouco a igreja neo-testamentária.
Na verdade o Santíssimo que seria Ungido dentro do cumprimento das 70 semanas é o Senhor Jesus Cristo!
E aconteceu naqueles dias que Jesus, tendo ido de Nazaré da Galiléia, foi batizado por João, no Jordão. E, logo que saiu da água, viu os céus abertos, e o Espírito, que como pomba descia sobre ele. E ouviu-se uma voz dos céus, que dizia: Tu és o meu Filho amado em quem me comprazo. Marcos 1:9-11


O Batismo foi introdutório ao seu ministério, pois desse momento Jesus foi manifesto como o Messias de Israel.
E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do SENHOR. E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele. Então começou a dizer-lhes: Hoje se cumpriu esta Escritura em vossos ouvidos. Lucas 4:17-21
Com o Santo do santos Ungido a profecia caminhava para o ápice na crucificação do Messias, onde os outros resultados foram vistos. Veja o que ocorreu:


Cessar a transgressão. Essa transgressão diz respeito à intolerância dos judeus as admoestações da Lei e dos Profetas de Deus chegando ao ápice quando esses entregam a Jesus para ser crucificado.
Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais. A qual dos profetas não perseguiram vossos pais? Até mataram os que anteriormente anunciaram a vinda do Justo, do qual vós agora fostes traidores e homicidas; Vós, que recebestes a lei por ordenação dos anjos, e não a guardastes. E, ouvindo eles isto, enfureciam-se em seus corações, e rangiam os dentes contra ele. Atos 7:51-54


Ouvi, ainda, outra parábola: Houve um homem, pai de família, que plantou uma vinha, e circundou-a de um valado, e construiu nela um lagar, e edificou uma torre, e arrendou-a a uns lavradores, e ausentou-se para longe. E, chegando o tempo dos frutos, enviou os seus servos aos lavradores, para receber os seus frutos. E os lavradores, apoderando-se dos servos, feriram um, mataram outro, e apedrejaram outro. Depois enviou outros servos, em maior número do que os primeiros; e eles fizeram-lhes o mesmo. E, por último, enviou-lhes seu filho, dizendo: Terão respeito a meu filho. Mas os lavradores, vendo o filho, disseram entre si: Este é o herdeiro; vinde, matemo-lo, e apoderemo-nos da sua herança.
E, lançando mão dele, o arrastaram para fora da vinha, e o mataram. Quando, pois, vier o senhor da vinha, que fará àqueles lavradores? Dizem-lhe eles: Dará afrontosa morte aos maus, e arrendará a vinha a outros lavradores, que a seu tempo lhe dêem os frutos. Diz-lhes Jesus: Nunca lestes nas Escrituras: A pedra, que os edificadores rejeitaram, Essa foi posta por cabeça do ângulo; Pelo Senhor foi feito isto, E é maravilhoso aos nossos olhos? Portanto, eu vos digo que o reino de Deus vos será tirado, e será dado a uma nação que dê os seus frutos. E, quem cair sobre esta pedra, despedaçar-se-á; e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó. E os príncipes dos sacerdotes e os fariseus, ouvindo estas palavras, entenderam que falava deles; E os príncipes dos sacerdotes e os fariseus, ouvindo estas palavras, entenderam que falava deles; Mateus 21:33-45


Para dar fim aos pecados. Tendo o Judeu terminado a sua transgressão contra Deus Rejeitando Jesus ao ponto de crucificá-lo, logo em seguida os pecados de Israel se finda. Deus então reserva um castigo para eles! A destruição final e conclusiva do templo, que foi preservado esse castigo desde o tempo do ministério de Jesus até 70 d.C. o dar fim aos pecados indica que dentro das 70 semanas Israel completaria a sua transgressão e completado o seu pecado, Deus agiria reservando o seu julgamento para uma geração Judia (Após as 70 semanas).
Portanto, eis que eu vos envio profetas, sábios e escribas; a uns deles matareis e crucificareis; e a outros deles açoitareis nas vossas sinagogas e os perseguireis de cidade em cidade; Para que sobre vós caia todo o sangue justo, que foi derramado sobre a terra, desde o sangue de Abel, o justo, até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, que matastes entre o santuário e o altar. Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre esta geração. Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas, e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste! Eis que a vossa casa vai ficar-vos deserta; Mateus 23:34-38


E, QUANDO Jesus ia saindo do templo, aproximaram-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do templo Jesus, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam Mateus 24:1-2,34


Essas são referências claras do Julgamento dos Judeus, a geração do Senhor Jesus que ocorrera em 70 d.C.Evento esse que se culminou após a 70 semanas.
É de suma importância ressaltar que a profecia das 70 semanas tem o seu cumprimento com a morte do Messias! A destruição de Jerusalém ocorre após esse cumprimento. O foco da profecia de Daniel 9 é o Messias e a sua missão, o julgamento é apenas um adendo para deixar claro que os pecados de Israel não tinham ficado impunes por Deus.


Para expiar a iniqüidade. Significa cobrir o pecado! Esse é o resultado nítido da morte expiatória do Senhor Jesus, sendo Ele a expiação final dos rituais levíticos do templo.
De outra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo. Hebreus 9:26


Trazer a justiça eterna. Por causa dessa expiação para cobrir os pecados, a justiça eterna é efetuada.
Mas agora se manifestou sem a lei a justiça de Deus, tendo o testemunho da lei e dos profetas; Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença. Romanos 3:21-22


Selar a visão e a profecia. Esse resultado também se dá na morte expiatória do Senhor Jesus Cristo.
Antes da crucificação: E, tomando consigo os doze, disse-lhes: Eis que subimos a Jerusalém, e se cumprirá no Filho do homem tudo o que pelos profetas foi escrito; Pois há de ser entregue aos gentios, e escarnecido, injuriado e cuspido; E, havendo-o açoitado, o matarão; e ao terceiro dia ressuscitará. Lucas 18:31-33


Após a crucificação: E disse-lhes: São estas as palavras que vos disse estando ainda convosco: Que convinha que se cumprisse tudo o que de mim estava escrito na lei de Moisés, e nos profetas e nos Salmos. Então abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras. Lucas 24:44-45


Já no verso 27 de Daniel 9, temos a mesma descrição dos versos 25-26 do mesmo capítulo, definindo as 70 semanas em um firme pacto que Deus estabeleceu entre Ele e seu povo eleito de toda raça e nação.
E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; Daniel 9:27 parte A


Essa aliança que foi firmada com muitos, se refere à nova aliança. Instituída em maiores e melhores promessas, tendo o Senhor Jesus Cristo como fiador.


Bendito o Senhor Deus de Israel, Porque visitou e remiu o seu povo, E nos levantou uma salvação poderosa Na casa de Davi seu servo. Como falou pela boca dos seus santos profetas, desde o princípio do mundo; Para nos livrar dos nossos inimigos e da mão de todos os que nos odeiam; Para manifestar misericórdia a nossos pais, E lembrar-se da sua santa aliança, Lucas 1:68-72


Isso foi literalmente o resultado da crucificação do Messias.
De tanto melhor aliança Jesus foi feito fiador Hebreus 7:22


Os muitos cujo qual a nova aliança se estenderia se refere a todos os eleitos tando de Israel como dentre os gentios.
Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniqüidades deles levará sobre si. Isaías 53:11


Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus. Onde está logo a jactância? É excluída. Por qual lei? Das obras? Não; mas pela lei da fé. Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei. É porventura Deus somente dos judeus? E não o é também dos gentios? Também dos gentios, certamente, Visto que Deus é um só, que justifica pela fé a circuncisão, e por meio da fé a incircuncisão. Romanos 3:24-30


Logo, essa confirmação da promessa pactual de Deus é a resolução das 70 semanas, descrita aqui como “Metade da Semana”. Justamente descreve o tempo da duração ministerial do Senhor Jesus (três anos e meio). Conseqüentemente em sua morte, o véu do templo foi rasgado de alto a baixo (Mateus 27:51). Fazendo assim cessar os sacrifícios e as abluções.
O ponto intrigante do texto é a outra metade da semana que não é definida cujo qual o Senhor Jesus teria feito a aliança com muitos.
Porém, em uma investigação minuciosa, é percebível que a outra metade da semana é referente à pregação do evangelho aos gentios! Tendo de vista que a mensagem primária pelo Senhor Jesus e os 12 apóstolos ter sido a os Judeus.


Vejamos isso na Ministração do evangelho do reino na dispensação do Espírito no evento de pentecoste:
Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra. Atos 1:8


Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a sua voz, e disse-lhes: Homens judeus, e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras. Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo a terceira hora do dia. Mas isto é o que foi dito pelo profeta Joel: E nos últimos dias acontecerá, diz Deus, Que do meu Espírito derramarei sobre toda a carne; E os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, Os vossos jovens terão visões, E os vossos velhos terão sonhos; E também do meu Espírito derramarei sobre os meus servos e as minhas servas naqueles dias, e profetizarão; E farei aparecer prodígios em cima, no céu; E sinais em baixo na terra, Sangue, fogo e vapor de fumo. O sol se converterá em trevas, E a lua em sangue, Antes de chegar o grande e glorioso dia do Senhor; E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Atos 2:14-21
Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego. Romanos 1:16


Essa consideração é extremamente válida devido a profecia das 70 semanas se referir a o Senhor Jesus Cristo e sua expiação, não o julgamento dos Judeus. O Julgamento foi conseqüência, um adendo da profecia.
E sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até a consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador. Daniel 9:27 Parte B


A abominação da desolação era o exercito Romano, que fez de Jerusalém uma total Desolação como o justo castigo sobre eles:
Disse-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, chamado Cristo? Disseram-lhe todos: Seja crucificado. O presidente, porém, disse: Mas que mal fez ele? E eles mais clamavam, dizendo: Seja crucificado. Então Pilatos, vendo que nada aproveitava, antes o tumulto crescia, tomando água, lavou as mãos diante da multidão, dizendo: Estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso. E, respondendo todo o povo, disse: O seu sangue caia sobre nós e sobre nossos filhos. Mateus 27:22-25


Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei então que é chegada a sua desolação. Lucas 21:20


Porque dias virão sobre ti, em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te estreitarão de todos os lados; E te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da tua visitação. Lucas 19:43-44


Lembre-se, quando o Senhor Jesus disse: “Quando, pois, virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê, atenda;” Mateus 24:15.O Senhor despertou os seus discípulos a cerca do castigo! Do juízo de Jerusalém! Mateus 24 descreve as Predições do fim do pacto Judaico que se dá com a ruína do templo judeu que ocorrera em 70 d.C, Não especificamente a profecia das 70 semanas. Pois cinco resultados da profecia ainda haveria de ser manifesta a Israel, e isso se daria na sua Crucificação.


Soli Deo Gloria 

Seguir por e-mail

Comentários recentes