Seja Bem Vindo ao Maior Portal de Estudos do Preterismo Completo do Brasil Para a Glória de Deus!

Postados até aqui...

Loading...

Translate

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

"Até que Ele venha": Entendendo a questão da ceia.


        Por Don Preston 

A doutrina Preterista da Parousia apresenta uma questão desafiadora no que respeita à ceia eucarística. Em 1 Coríntios 11:26, Paulo disse: "Todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice anunciai a morte do Senhor, até que Ele venha". O argumento contra a doutrina Preterista talvez melhor resumida nas palavras de Gus Nichols quando ele debateu Max King, "Até que ele venha, temos que mostrar a sua morte por comer a ceia. Mas se ele veio 1900 anos atrás No ano 70 d.C. em seguida, a Ceia do Senhor deveria ter sido parada! " (Nichols-Rei Debate, 1973).
A questão para o Preterista, então, é simples. Se Jesus veio pela última vez em 70 d.C. os cristãos devem hoje continuar a observar a Ceia do Senhor?
Eu sou um Preterista e afirmo que a Ceia é para ser tomada hoje. As razões são apresentadas abaixo.
 
Promessa de Jesus
Em Mateus 26:26 nosso Mestre instituiu a Ceia e prometeu: "Eu não vou beber doravante deste fruto da videira, até aquele dia em que o beba de novo convosco no reino de meu Pai".
Este texto é geralmente interpretado no sentido de que, quando o reino foi estabelecido no dia de Pentecostes e da igreja começou a comemorar a Ceia, esta foi à forma "nova" que o Senhor Jesus tinha em mente.
Em primeiro lugar, o significado de "novo". Arndt e Gingrich diz que a palavra "novo" kainos (grego), significa novo, no sentido de nunca ter sido antes, ou novo como no superior em contraste com a idade. Em outras palavras o novo como forma de qualidade, de natureza diferente. Veja também Thayer, p. 317. Kittel diz que kainos enfatiza o que é "novo e distinto ... O que é novo na natureza ... melhor que o velho, superior em valor ou atração ..." (Vol. III. P.447).
Esta novidade é um aspecto esquecido da Ceia, especialmente no que diz respeito à Parousia. A ceia não era uma instituição totalmente nova. Era a Páscoa cumprida. Mesmo que o maior significado, no entanto, não foi levado a bom termo até a salvação operada pela morte de Jesus que foi consumada. A consumação da salvação que estava "pronto para se revelar no último tempo" I Pedro 1:5. Comprovada comparando I Pedro 1:5 com I João 2:18.
Isto traz-nos ao segundo princípio frequentemente negligenciado: O período de maturidade da igreja. O sistema religioso tem ensinado que quando a igreja foi fundada no dia de Pentecostes, ela era completa, madura, sem mácula. Tal argumentação é pouco consistente. Também é interessante ouvir a insistência veemente por parte de alguns escritores que a igreja foi criada em totalidade e plenitude no Pentecostes. Esta doutrina tem algumas implicações sérias como um artigo futuro vai demonstrar.
Durante o período de tempo em que a igreja estava chegando à maturidade (o que é às vezes chamado de um período de transição) há várias coisas mencionadas no Novo Testamento como sendo a realidade presente, mas que também foram mencionados como realidades próximas. Invariavelmente, o aspecto futuro dessas coisas que vêm é uma de iminência.
A lista a seguir irá demonstrar algumas das coisas que eram ambas às realidades atuais, mas também objetos de expectativa iminente.
Graça: Presente: Romanos 5:2, I Coríntios 3:10; Futuro iminente: Efésios 2:7/II Coríntios 4:15.
Glória: Presente: Colossenses 1:10-11; Futuro iminente: II Tessalonicenses 2:14.
Salvação: Presente: Efésios 2:8-9; Futuro iminente: Romanos 13:11, Hebreus 9:28.
Adoção: Presente: Romanos 8:15; Futuro iminente: Romanos 8:23.
Reino: Presente: Colossenses 1:13; futuro iminente: Lucas 21:29-32; I Tessalonicenses 2:12.
Como é que este período de transição se relaciona com a questão presente? Acreditamos que a resposta pode ser encontrada no termo "novo" (kainos).
É incontestável que, quando a igreja começou a observar a Ceia de Pentecostes, Atos 2, para frente, I Coríntios 11, eles estavam participando dela de uma maneira nova. Não foi a Páscoa Velha. Ele tinha um novo significado.
Mas, enquanto a Ceia teve um novo significado durante este período de transição, ainda não tinha encontrado a sua perfeição. Da mesma forma que os primeiros cristãos tinham glória, a vida, a graça, a salvação, a adoção, e o reino (mas ainda estavam esperando a consumação iminente dessas coisas), assim foi com a Ceia do Senhor. Era novo, mas ainda não aperfeiçoado.
Quando é que um novo significado da Ceia encontrar a perfeição ou consumação, de modo que, longe de cessar, ela seria levada da maneira prevista de novo? A resposta pode ser encontrada em Lucas 22:15-18.
Nesses versículos, Jesus prometeu: "Eu não comerei mais até que ela se cumpra no Reino de Deus." No versículo 18, ele enfatizou, “Eu não vou beber do fruto da videira, até que venha o reino de Deus”.
Jesus prometeu participar da Ceia de uma nova maneira quando o reino estivesse chegado. Geralmente é ensinado que o reino entrou em sua totalidade no dia de Pentecostes. Tal não é o caso, no entanto.
Em Mateus 16:27-28 Emanuel prometeu vir na glória de seu Pai, com os anjos, para julgar o mundo. Ele, então, declarou enfaticamente que alguns que vivem em seguida, não morreriam até que eles o tivessem visto chegando no reino. Isso não aconteceu no dia de Pentecostes! Isso, então, é uma referência a uma futura vinda do reino após a sua criação, em Pentecostes.
Além disso, em Lucas 21:31 nosso Mestre olhou para a frente para os sinais que precederam a queda da teocracia judaica, e disse: "... quando virdes essas coisas acontecerem, sabei que o reino de Deus está perto." Essas "coisas" pressagiar um evento que não aconteceu até 37 anos depois do Pentecostes; ainda, eles foram presságios para a vinda do reino! Assim, o reino (em qualquer sentido que Jesus estava se referindo a ele) não teria chegado até totalmente 70 d.C.
Não poderia ser que, enquanto a igreja comeu a Ceia de uma maneira nova, ainda imperfeita, no presente reino ainda imperfeito, que quando o tempo da perfeição chegou eles comeram a Ceia aperfeiçoada no reino aperfeiçoado?
Eu sugiro que este é o caso. Assim, quando Paulo em I Coríntios 11:26 disse que eles estavam para mostrar a morte do Senhor "até que ele venha", ele estava aguardando ansiosamente, não para a cessação, mas a consumação da Ceia.
A volta do Senhor, com toda a certeza foi o tempo bastante esperado para os irmãos de Corinto (I Coríntios 1:4-8; 7:29-31; 13:8-13), não foi tanto com a finalidade de destruir o velho sistema levítico como foi para cumprir e de levar a cabo o Regime da Redenção. Como a igreja primitiva em comunhão com o Senhor na sua Ceia (I Coríntios 10:16-21), lembraram-se de sua morte e sofrimentos. Eles avidamente desejavam para o seu retorno, quando a Festa não seria apenas uma lembrança do passado, mas uma celebração com Ele em um reino completamente estabelecido e triunfante. Depois que Jesus veio em 70 d.C A Ceia poderia finalmente ser tomado aperfeiçoado da forma “nova" de que falava.
Hoje, como filhos de Deus também participamos da Ceia. Não na expectativa de uma salvação vinda, mas na realização de uma salvação realizada através do sofrimento de nosso Senhor. A ceia não era para cessar na volta de Jesus. Foi e é para ser tomada na apreciação de seu trabalho realizado.
 
Outras considerações
O acima são algumas das razões pelas quais eu acredito que a Ceia deve ser tomada hoje. Mas os opositores da interpretação Preterista precisam perceber que há problemas mais sérios com a sua argumentação e da postular tradicional.
Primeiro, quando é argumentado que, se Jesus veio em 70 d.C. E a Comunhão não deve ser tomada hoje, porque era para ser tomada "até que ele venha", deve-se perceber que essa afirmação não tem nem um pouco de influência sobre se Jesus veio! Não há nenhuma coisa a dizer sobre se o Senhor cumpriu a sua promessa de voltar naquela geração, Mateus 16:27-28. “Não abordam se os Coríntios realmente viveram até o dia do Senhor, I Coríntios 1:4-8”. Ou lidam com as declarações de tempo, tais como em I Cor 7:29. “O tempo é curto"
O argumento mencionado acima é pura e simplesmente um "E agora?”. Além disso, é geralmente dada em um contexto emocional em desrespeito da veracidade da questão “do perto”... Jesus realmente manteria a sua palavra e retornaria no primeiro século?
Para afirmar que, se Jesus voltou em 70 d.C, então a Ceia não é para hoje, como observou a simples questão "E agora?" Independentemente de a Ceia ser tomado hoje (e já dissemos em termos positivos a nossa convicção de que é), deve-se responder a pergunta do momento para Epifania de Jesus. E no texto muito usado por aqueles que se opõem à visão Preterista é uma prova que está sendo totalmente ignorado.
Você Não anunciai a morte do Senhor
Uma das primeiras regras da hermenêutica, seja bíblico ou secular é fazer perguntas certas; quem, o quê, quando, onde, por que e como. Tem-se esquecido alguns destes princípios básicos na tentativa de defender conceitos tradicionais!
Quando Paulo escreveu o livro sob o seu ponto de vista, a quem era endereçada? Não foi aos de Corinto?  Os irmãos de Corinto ainda estão vivos hoje? Isso é muito importante. Quem é o que Paulo disse que tomaria da Ceia do Senhor até que voltasse?
Uma leitura cuidadosa do texto irá revelar o uso muito pessoal de Paulo de "você" que é usado para não falar de todos os cristãos em um sentido atemporal, mas do de Corinto, especialmente.
Note então o uso de Paulo de "vos".
1) 11:17 -. "Eu não vos louvo..."
2) 11:17 -. "Vos ajuntais não para melhor ..."
3) 11:18 -. "Quando vos reunis na igreja... eu ouço há divisões entre vós..." 
4) 11:19 -. "Deve haver entre vós facções... que aqueles que são aprovados podem ser reconhecidos no meio de vós."
5) 11:20 -. "Quando vos reunir em um só lugar, não é para comer a ceia do Senhor."
6) 11:22 - "O quê? Vos não tem casas para comer e beber"
7) 11:22 - "Vos desprezam a igreja de Deus e envergonhais os que nada têm?"
8) 11:23 - "Eu recebi do Senhor o que eu entregue vos entreguei."
9) 11:30 -. "Por esta causa há entre vos muitos fracos e doentes."
Agora temos que notar que hoje existem muitas coisas que levamos em conta na situação de Corinto. Nós sabemos que é errado transformar a ceia em uma refeição comum, e que aqueles que observam a Ceia deve discernir o corpo. Aprendemos isso com as lições especificamente dirigidas aos Coríntios sobre os seus problemas e situações.
 
Resumo
Tenho minhas razões delineadas por acreditar que a Ceia é para ser tomada hoje, embora eu creio que Jesus voltou em 70 d.C. A ceia de hoje é para ser tomada não em antecipação, mas em realização na forma prevista "novo". O reino foi estabelecido e nele estamos de posse.
Aqueles que sustentam que a Ceia deve ser interrompida se Jesus voltou em 70 d.C. tem ignorado as declarações contextuais de I Coríntios 11. Eles ignoraram o uso pessoal de Paulo de "vos" e eles têm ignorado o significado da Ceia sendo tomadas pelos irmãos de Corinto "até que ele venha", e impôs um significado singular em "até" que não é contextualmente necessário.
Por estas razões, acreditamos que a Ceia não foi para deixar de existir na volta do Senhor. É para ser tomado na apreciação de seu trabalho realizado.
"Vamos, portanto, celebrar a festa... com os ázimos da sinceridade e da verdade." I Cor. 5: 8.
Adendo
Para um estudo mais aprofundado e corroboração Sugiro um estudo da natureza típica da Páscoa.
Israel comeram a Páscoa no Egito, à noite antes de partirem, enquanto a terra prometida era ainda uma promessa, Êxodo 12-14.
Israel celebrou a Páscoa depois de ser libertados do Egito, e como eles viajaram para a terra prometida, Números 9:2-5.
Finalmente, que a festa foi tomada depois de Israel ter conquistado a sua terra e comido os doces frutos de vitória, Josué 5:6-12.
Não é esta a simbólica da Ceia do Senhor, nossa Páscoa, I Coríntios 5:7-8? Ele foi levado na noite de sua traição, e recebido pela igreja em sua jornada para a salvação prometida, I Pedro 1:5 e 2:11. Hoje no reino, apreciamos a vitória operada por Jesus, que temos da ceia em comemoração dessa libertação.



Seguir por e-mail

Comentários recentes