Seja Bem Vindo ao Maior Portal de Estudos do Preterismo Completo do Brasil Para a Glória de Deus!

Postados até aqui...

Loading...

Translate

terça-feira, 28 de março de 2017

O ESTADO POLÍTICO DA GERAÇÃO DE MATEUS 24:34



Por: Terry Cropper

"Dai, pois, a César as coisas que são de César, e a Deus, as que são de Deus" (Lucas 20:25). Este é outro versículo da escritura que deve ser entendido em sua língua original, cultura, política e cenário histórico em que foi inscrito.

A jornada de Jesus a Jerusalém ocorre no que tradicionalmente se chama de a entrada triunfal (Lucas 19: 28-44). Tendo chegado a Jerusalém, Jesus entrou no templo e expulsou os que ali o profanavam comprando e vendendo animais usados ​​para os sacrifícios do templo (Lucas 19: 45-46). Com o pátio dos gentios limpo desse tráfico ímpio, Jesus usou aquela área do templo como um lugar para ensinar e pregar o evangelho às multidões de peregrinos que estavam em Jerusalém para a Páscoa (Lucas 19: 47-20: 1) . Peregrinos e judeus de toda a Judeia estavam entrando em Jerusalém para cumprir seus periódicos deveres religiosos no templo. Jerusalém tinha uma população cerca de 20.000 a 30.000 pessoas. Mas na Páscoa, uma das três festas que deveria ser celebrada em Jerusalém mencionadas em Levítico 23 e Deuteronômio 16, a população da Cidade Santa crescia pra mais de 150.000.  Por causa da massa de peregrinos, o procurador romano da Judeia, Pôncio Pilatos, também tinha temporariamente instalado residência em Jerusalém, juntamente com uma multidão de tropas romanas, a fim de reprimir qualquer violência religiosa.

Todos nós sabemos que ao longo de Seu ministério, Jesus entrou em conflito com as lideranças judaica, e eles se opuseram muitas vezes a Cristo. Essas ações, no entanto, foram a última gota, e o Sinédrio determinou que Jesus devesse ser destruído. Mas isso, eles perceberam que não seria tão fácil quanto eles gostariam, porque o povo "estava muito atento para ouvi-lo" (Lucas 19: 47-48; 20:19). Portanto, eles puseram em movimento um plano para aprisionar Jesus, como Ele ensinava publicamente no templo, fizeram-lhe uma pergunta difícil para Ele responder. A esperança deles era que, se Jesus não respondesse a pergunta, eles poderiam desacreditar Ele perante o povo; Ou, talvez, até prendê-lo de tal maneira que pudessem acusá-lo de um criminoso político perante o governador de Roma. 

O Sinédrio então enviou homens para fazerem a Jesus uma pergunta sobre dar tributo a César. (Lucas 10:22) É lícito pagar impostos a César ou não? Eles vieram fingindo que eram homens justos que estavam lutando sobre essa pergunta e desejavam sinceramente ouvir a opinião de Jesus sobre o assunto. Mas sua verdadeira esperança e propósito, de acordo com Lucas, era aprisionar Jesus como base para entregá-lo ao governador romano sob a acusação de que Ele ensinou o povo a não pagar tributo a César.
Isso equivaleria a uma acusação de incitar o povo a se rebelar contra a autoridade de Roma e levaria a pena de morte. Eles começaram louvando Jesus como um nobre professor, um entendedor da verdade, na esperança de que isso dissiparia qualquer suspeita de seu motivo e induzi-Lo a dar-lhes uma resposta desprotegida à sua pergunta. "(Mestre), sabemos que Você diz e ensina corretamente, e Você não mostra favoritismo pessoal, mas ensina o caminho de Deus na verdade. (Lucas 20:22) Isto é falsa lisonja esses homens acreditavam somente nos fariseus, eram os intérpretes das autoridades da lei judaica que também zelosamente observava, especialmente as leis relativas ao sábado.

O estabelecimento deste imposto na Judeia está registrado em Lucas 2: 1-3 (NKJ) "E aconteceu naqueles dias, que saiu um decreto de César Augusto, para que todo o mundo fosse tributado." (E este tributo foi feito pela primeira vez quando Cireneu foi governador da Síria.) E todos foram para ser tributados, cada um em sua própria cidade. Os judeus, portanto, não eram um povo livre ou uma nação independente, mas um povo sujeito sob o domínio do Império de Roma. Esta subcorrente de revolta fiscal surgiu em toda a Judeia durante o ministério de Jesus.
Sua pergunta era esta: "É lícito para nós dar tributo a César, ou não?" (Lucas 20:22). Cada palavra desta questão deve ser considerada, juntamente com o contexto histórico por trás dela, se quisermos compreender o significado de sua investigação a Jesus.
O verbo " Lícito" é um verbo impessoal que expressa a ideia de algo que está sendo autorizado pela autoridade apropriada. Portanto, o verbo carrega o significado de uma ação que é permitida, legal ou correta. O contexto do debate é sobre o que a lei de Deus autoriza a ser feita em questões de controvérsia, como o sábado (Lucas 6: 2, 4, 9). A palavra "tributo no grego é φόρον" refere-se a um imposto, pago diretamente ao imperador pelo sujeito judeu que viveu sob o Império Romano.
A investigação, então, é se a lei de Deus permite que os judeus dêem tributo a César. As palavras "para nós" (uma palavra em grego ἡμᾶς) são muitas vezes ignoradas. "Para nós" é claro, refere-se à nação de Israel, que enfatiza a questão que é especificamente em referência ao povo judeu. A questão de pagar tributo a César não diz respeito às nações gentílicas sob o domínio de Roma, mas se refere exclusivamente aos judeus que são o povo escolhido de Deus. É lícito (em grego uma palavra ἔξεστιν) para Israel, que tem Deus como seu Rei, para dar tributo ao reino dos gentios de Roma e seu imperador pagão?

Os homens então que foram enviados pelo Sinédrio estão esperando para aprisionar Jesus com a sua pergunta de uma forma que poderia desacreditá-lo diante do povo judeu, Ou, prendê-lo de tal maneira que pudessem acusá-lo de ser um criminoso político perante o governador de Roma.
Se ele responder sim, é lícito para eles prestarem tributo a César, ele seria acusado de cúmplice com Roma, e justificando a ocupação romana e pagando eles assim o imposto, forçado sobre os judeus. Esta não seria uma resposta popular entre o povo judeu. Por outro lado, se Jesus responde não, ele correria o risco de ser classificado como um criminoso político contra o Império de Roma e incorrer na ira de Roma. Qualquer uma das respostas, provavelmente levaria à Sua morte antes da cruz.
Os inimigos de Jesus acreditavam que o tinham apanhado com habilidade em uma resposta de "sim" ou "não" à sua pergunta; Qualquer um que Ele lhes desse seria capaz de usá-lo para Sua destruição. Jesus não deu uma resposta relativa a "sim" ou "não" à pergunta como esperavam. Jesus estava ciente de sua trapaça e Ele faz um ponto muito importante com sua pergunta sem entrar em uma discussão política. Ele simplesmente pede para ver a moeda e pergunta: "De quem imagem e inscrição tem?" (Lucas 20:24)
A "imagem" na moeda era um busto de Tibério César. A "inscrição" dizia: "Tiberius César Augusto, filho do divino Augusto". O reverso da moeda tinha uma imagem da mãe do imperador, Julia Augusta (Livia), sentada num trono segurando um cetro na mão e um Ramo de oliveira na outra e uma inscrição que dizia Pontifício Máximo, isto é, "Sumo Sacerdote". O denário assim proclamava o poder e a glória de Roma e a origem e o caráter "divinal" de Tibério. O denário era verdadeiramente a propriedade do imperador: usava-o para pagar seus soldados, oficiais e fornecedores; Levava o selo imperial; Era diferente das moedas de cobre emitidas pelo Senado romano, e era também a moeda que exigia o povo, para pagar tributo.
A única resposta possível à pergunta de Jesus sobre "cuja imagem e inscrição era uma moeda " de César ", a estes homens foi por tanto forçados a dizê-lo que sim! É interessante isso pois a posse dos homens daquela moeda revela o seguinte fato. Que a posse do denário pelos judeus era sua própria declaração de submissão que eles aceitaram a autoridade de César sobre eles. Com efeito, se houve rejeição com base na lei de Deus sobre a autoridade de César sobre eles, então por que eles aceitavam  usarem as mesmas moedas que proclamavam a autoridade de César?
Depois que Jesus afirmou que alguns dos judeus na nação de Israel aceitavam a autoridade de César sobre eles, como também vemos em João 19:15 Os principais sacerdotes responderam: "Não temos mais rei senão César!" Jesus então instruía Seus ouvintes dizendo " A César o que é de César, e a Deus o que é de Deus "(Lucas 20:25).
Jesus fez uma distinção clara entre o que é lícito dar a Roma e o que não é. Jesus defende com isso as reivindicações anteriores de Deus e Sua soberania absoluta, e o poder de possuir todas as coisas, ao mesmo tempo em que reconhece o governo de Roma e rejeita as pretensões de divindade de César. Não admira que seus adversários "se maravilhassem" diante de Sua resposta, pois não havia nada aqui que pudessem "agarrar"a Jesus para acusá-lo diante de Pilatos ou diante do povo (Lucas 20:26).



Seguir por e-mail

Comentários recentes