Seja Bem Vindo ao Maior Portal de Estudos do Preterismo Completo do Brasil Para a Glória de Deus!

Postados até aqui...

Loading...

PRECISAMOS DE SUA AJUDA!

Amigo e irmãos seguidores desse Blog. Em vista de alcançar um número maior de pessoas interessadas em aprender o Preterismo Completo vimos que o nosso equipamento de captação de vídeo tem deixado muito a desejar em termos de qualidade e acreditamos que uma capitação de mais nitidez ajudaria e muito nesse trabalho. Logo; estamos solicitando uma doação de um equipamento dessa natureza: Uma Filmadora, Uma Web Cam de qualidade, Um celular de boa resolução pra filmagem...Em fim, não é necessário que seja nova! Estando em bom estado é que importa. Não estamos tratando de quantia em dinheiro certo? Por tanto; quem tiver um desses equipamentos e sentir o desejo de doa entre em contato no privado e não se preocupe com os encargos de envio. Dês de já agradecemos a atenção dispensada e um abraço. escatologiaplena@hotmail.com

Translate

terça-feira, 6 de novembro de 2012

A ressurreição futurista: Ao soar do sonido incerto

           Por William H.Bell Jr

A doutrina da ressurreição é de vital importância para que todos fiquem familiarizados com a escatologia. Se você como um bom estudante das sagradas letras segue a interpretação do preterismo completo da questão melhor ainda! O que é perturbador para mim é a persuasão de alguns que se acham os donos da verdade para mudar a marcação da ressurreição de Jesus Cristo. Sua afirmação de que Ele é a Ressurreição e a Vida, parece saltar fora dos ouvidos dos acadêmicos e doutores religiosos que se baseiam nos credos e confissões para defender suas teses religiosas. Alguns optaram por substituir Cristo, a ressurreição e a vida, o Redentor de Israel com a sua própria visão da ressurreição, ou seja; O retorno do corpo individual do homem como a solução para o problema da morte no Éden. Isso leva-nos a uma hermenêutica infeliz da ressureição. É importante saber nessa altura que a ressurreição começa e termina em Cristo.
Observem que; imediatamente após Adão e Eva terem pecado, Deus ofereceu a promessa de Cristo e a derrota de Satanás como o remédio para a morte. "E porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." (Gn 3:15).
A promessa é Cristo, a ressurreição e a vida, aquele que venceu a morte, destruindo Satanás através de sua morte e da Nova Aliança. . Wright observa 1 Coríntios 15 fala principalmente sobre a renovação da criação e da aliança através de Cristo, NT Wright, PP Paulo 28-39.

A ênfase equivocada na morte física e a ressurreição 


Levenson observa: "Gênesis 3:19 é frequentemente visto como uma etiologia [causa] da morte que as pessoas morrem [fisicamente] por causa do pecado de Adão. Não está claro, no entanto se Deus já tinha intenção de Adão para ser imortal. Na verdade, a razão dada em 3:22 para o seu despejo do Jardim do Éden é precisamente a razão dele poder tornar-se imortal, tendo já adquirido o conhecimento do bem e do mal. Portanto, a capacidade intelectual para provar da Árvore da Vida, utilizando o bem e viver para sempre. Em suma, pode ser que Gênesis 3 vê na desobediência dos pais primordiais as origens não da perda da imortalidade em si, mas da oportunidade de adquirir a imortalidade. Nesse caso, v 19 é melhor tomada como uma etiologia não de morte, mas de sepultamento: Adão como o humano tropical (adam) terminando onde começou, no solo (Adama) retornando ao pó de onde foi moldado (2:7) Jon D. Levenson, Ressurreição e Restauração, p. 32.
Levenson continua a dizer que, "Das duas interpretações a primeira Gênesis 3:19, vê no verso uma punição de morte, é mais provável que a base da tradução" atestado em Targum Pseudo-Jonathan. A ideia de que o pecado de Adão (ou Adão e Eva) é a causa da mortalidade humana esta ausente na Bíblia hebraica, sem dúvida tornou-se comum no Judaísmo do Segundo Templo, deslocando assim o antigo conceito bíblico (não significa universal na Bíblia hebraica) que a morte era o plano preferencial de Deus para cada ser humano, desde o início, "o caminho de toda a terra" (Josué 23:14). A noção de que a última palavra de Deus para a raça humana é uma sentença de morte, no entanto, não se coaduna com certos elementos da cultura do Segundo Templo (assim como não se sentou bem com a cultura bíblica, que viu na progênie não apenas um consolo para a morte, mas a sobrevivência e continuidade das pessoas que já faleceram). "Ibid, p. 32-33.

A Árvore da Vida e Imortalidade Física no Jardim 


Supõe-se que a árvore da vida, a única esperança de imortalidade física, ou seja, que Adão fisicamente viveria para sempre se ele tivesse comido da árvore da vida antes de pecar. Esta suposição cria problemas insuperáveis.
1. Primeiro: Adão nunca teria morrido.
2. Se Adão tornou-se fisicamente imortal, sua prole seria igualmente tornar-se fisicamente imortal por cada semente que produziria sua espécie, (Gen. 1:11).
3. Sem a morte física, o homem fisicamente imortal seria destinado a viver na terra para sempre em "carne e sangue" no corpo. Ele seria eternamente ligado a terra. Isso cria problemas insuperáveis para as pessoas, uma vez que erroneamente entendem "carne e sangue" em 1 Coríntios. 15:50 para falar da biologia humana. Adão e sua "posteridade imortal" seriam, portanto, incapazes de entrar no reino em tal condição. Um ponto semelhante é reconhecido nos escritos de Ed Stevens comentando sobre Adão comer da árvore em um estado caído: "Se ele tivesse ficado no jardim (depois que comeu e morreu espiritualmente) e continuou a comer da árvore da vida, ele teria vivido para sempre fisicamente, embora ele estivesse morto espiritualmente. "Edward Stevens, Perguntas sobre a vida, p. 25”. Assim, o dilema de Adão para comer da árvore, se espiritualmente vivo ou morto, é que ele não poderia herdar o reino.
4. Se a imortalidade física não significa ser "carne e sangue", então não há tal coisa como "imortalidade física", pois seria "não física imortalidade", assim, novamente negando a ideia de que a árvore da vida era para o homem de física imortalidade.
5. Se entrar no reino é salvação e ressurreição (1 Coríntios. 15:50), dada a condição de número 3 acima, a imortalidade física criaria a impossibilidade de salvar aqueles com a imortalidade física.
6. Por outro lado, se a imortalidade física é a salvação, um seria salvo, sem entrar no reino, tornando nulo o propósito de Deus para o homem de "herdar o reino preparado desde a fundação do mundo" (Mateus 25:34)!
7. Dado o cenário do n º 3, não haveria a morte física na terra e o homem rapidamente superpovoaria o mundo criando problemas com o abastecimento de alimentos, e as limitações espaciais. Você pode fazer a matemática?
8. Isso também iria tornar a pena de morrer totalmente irrelevante, inútil, ineficaz, assim, uma piada, uma vez que o homem comeu e se tornou imortal, ele nunca poderia se tornar mortal. Se ele se tornou imortal e perdeu a imortalidade ou apostatou, que contradizem a visão ressurreição que o homem possui a imortalidade, uma vez que ele não pode apostatar ou cair da "que" graça.
9. Se, os Teólogos reconhecem que têm um problema com o homem comer apenas uma vez da árvore da vida, mas se comer uma vez não poderia fornecer a imortalidade física, quantas vezes que Adam teria que comer para ganhar a imortalidade física?
10. Se o homem tornou-se fisicamente imortal depois de comer da árvore da vida, por que ele precisaria comer qualquer coisa para manter sua imortalidade física? Comida seria desnecessária e Deus teria criado todas essas árvores "boas para comida" Para ser bom para nada!
11. Agora vamos ver por que alguns Teólogos da ressurreição deve ter um arrebatamento. É porque a imortalidade física na Terra exige isso desde que o homem não poderia morrer em tais circunstâncias e, portanto, não poderia escapar de um destino eterno da vida na Terra. Isso significa que não há inferno e céu. À medida que levantou a questão para o reino, por que Deus também preparou a segunda morte dada pelas tais interpretações, Gênesis 3:15, Mateus. 25:41; Romanos. 16:20, Apocalipse. 20:14?
12. Se Adão podia comer e obter a imortalidade física na Terra, contradiria a visão da ressurreição e a morte hadeana que ver da ressurreição, que o homem deve morrer fisicamente para obter a imortalidade. Como pode uma pessoa fisicamente imortal morrer fisicamente? Impossível.
13. Se Adão não poderia morrer antes que ele comesse da árvore, e se ele tinha obtido a imortalidade física por comer da árvore da vida, como Adão poderia ter recebido a sua imortalidade física sem ser semeado que ele pudesse morrer fisicamente?
14. Se Adão tornou-se fisicamente imortal por comer da árvore da vida e se tal é equiparada com a ressurreição de Lucas 20:35 Adão nesse caso como seria como os anjos de Deus, que não pode morrer? Teria que também significar que Adão não seria nem homem nem mulher, imortalidade incapaz de se casar e procriar e, portanto, física na Terra seria violar o mandamento de Deus em Gênesis 1: 28 de "ser frutífero e multiplicar e encher a terra"? Será que o homem pode fazer sexo no céu? As pessoas fisicamente imortais reproduziriam sexualmente?
15. Se a árvore da vida representa Cristo, e se comer da árvore da imortalidade a vida que não pode ser obtida enquanto vivia no corpo físico, por autocontradição, então isso não significa que não podemos agora ter Cristo?
16. Se o comer da árvore da vida representa Cristo e equivale a receber a imortalidade física que só pode acontecer após a morte física, que é impossível de se fazer quando se tem a imortalidade física não significa que não pode ter um período de Cristo, assim, levando à infeliz conclusão de Paulo ao expressar que todos os homens são mais miseráveis porque negam a ressurreição dos mortos.
17. Aqui está algo que um mesmo futurista deve considerar. Se a árvore da vida está no céu e o homem deve receber o corpo imortal para entrar no céu, porque ele não pode chegar lá em seu corpo fisicamente mortal ou fisicamente imortal, então por que uma necessidade de comer da árvore da vida no céu a cada mês como se fosse essencial para ter o corpo imortal?
18. Se Cristo é a ressurreição e a vida quando todos esses problemas imediatamente irão embora?
19. Minha conclusão: Segundo a tradição religiosa estamos para ver o corpo individual desmantelado. É um som dissonante da trombeta para a ressurreição da Bíblia.

Jesus Cristo é a Ressurreição e a Vida


"Disse-lhe Jesus:" Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá. Você acredita nisso? "(João 11:25-26). Jesus disse, ele é a ressurreição e a vida. Assim como ele disse, "Eu sou o pão da vida" e "Eu sou a água da vida". Em nenhum lugar nas Escrituras é compreendido que a ressurreição se referi a realidade física individual ou algum tipo de corpo humano. No entanto, todos eles são declarações equivalentes apontando para Cristo! Cristo é a água da vida = o pão da vida = a ressurreição e a vida! A lógica é simples. Por que complicar?
Afinal de contas, o texto diz, "em Cristo" todos serão vivificados. Cristo, é a esperança e o cumprimento das promessas de Israel, é a ressurreição! Mostrei que a Trombeta da ressurreição de discórdia anunciada pela tradição religiosa rejeitar o tema central da esperança de Israel por meio de Cristo e transforma a ressurreição em um motivo de glorificar a Deus em um corpo físico individual, botando assim em risco a verdade Bíblica. Por tanto quaisquer conceitos de ressurreição que não conseguem interpretar corretamente a morte, nunca pode ser a ressurreição escatológica da Bíblia.


Soli Deo Gloria

terça-feira, 23 de outubro de 2012

Sobre o que os credos?


                                 Walt Hibbard 


Eu tenho muito a dizer sobre os credos, tanto em princípio e através da minha experiência em igrejas que possuem os credos históricos. Isso aconteceu porque muitos sinceros  crentes da Bíblia, quando aprendem um pouco sobre a visão Preterista da escatologia consumada e tornar-se fascinado, invariavelmente a pergunta vem: "Mas o que dizer dos credos?" Quando eles descobrem que existem algumas diferenças básicas entre o que as Escrituras ensinam e o que os Credos históricos cristão ensinam, eles imediatamente afastar-se da Escritura e seus ensinamentos simples em favor da opinião defendida pelos credos e Padres da Igreja. Creio que isso aconteça em vários círculos denominacionais, envolvendo tanto os pastores como os leigos.

(Deixe-me dizer claramente que eu não sou "anti-credo" - Eu ensinei o Credo dos Apóstolos, o Catecismo Menor de Westminster e do Catecismo de Heidelberg para todos os meus filhos, ensinei também a uma classe de escola adulta aos domingos no início dos anos 80)

Agora eu quero citar dois exemplos pessoais de como os credos são frequentemente utilizados:

Em 1984, quando eu servia como presbítero regente em uma denominação Presbiteriana bastante grande e conservadora, e novamente em 1997, quando eu era um membro em boa posição em uma denominação muito pequena Reformada, a minha opinião sobre escatologia veio sob o escrutínio intenso por parte dos pastores e presbíteros. Em ambos os casos, a questão foi levantada sobre o conflito da visão Bíblica do Preterismo completo com as confissões históricas reformadas, em particular a Confissão de Westminster, bem como os credos antigos, como o Credo dos Apóstolos, o Credo de Atanásio, de Nicéia, etc.

No encontro de 1984, já que a maioria dos anciãos de minha igreja nunca tinha estudado escatologia em grande extensão, vários professores de seminários reformados foram chamados para responder as anotações que eu tinha feito para expor tudo àquilo que eu acredito que as Escrituras ensinam. Eu forneci uma cópia da parousia de Cristo escrita por James Stuart Russell para cada um dos professores. Dois desses professores buscou refuta a definição da palavra "geração" (gr. genea) em MT. 24:34 no sentido de dizer que o texto se trata de "raça". Lembrei-lhes que a mesma palavra grega é usada 28 vezes nos outros Evangelhos sinópticos onde indiscutivelmente significa as pessoas que vivem no mesmo tempo, não sucessivas gerações de judeus que vivem ao longo da história. (Outro professor estava de acordo comigo sobre esse ponto.) Um terceiro professor sustentou que a promessa feita por Jesus em Mt. 26:64 era para ser entendida em termos de um cumprimento futuro a alguém "pactualmente relacionado" com o sumo sacerdote Caifás. Este professor aparentemente perdido de vista o fato de que Jesus estava falando diretamente para Caifás, mesmo com a frase "você vai ver a seguir o Filho do Homem sentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céu." (NVI) Algum tempo mais tarde este mesmo professor sugeriu que o meu entendimento das Escrituras tinha sido "obscurecido" pela morte da minha esposa, não muito tempo antes, e que eu provavelmente em breve estaria começando um novo estudo, que ensinasse a visão do Preterismo completo. Meu próprio pastor sugeriu; “Walt acreditava que ele tinha encontrado uma falha dos Padrões de Westminster," e seguiu-se com o comentário de que "essa coisa toda que define o preterismo é simplesmente incrível que se podia acreditar.” Enquanto as Sagradas Escrituras foram certamente estudadas neste encontro, ficou claro que violar a confissão era a questão principal neste chamado "julgamento herético." Neste instante, eu estava sendo convidado a deixar o meu erro teológico, e ficar com o trabalho da igreja. Infelizmente, sob extrema pressão dos anciãos, pastores e professores de seminário, eu temporariamente deixei a visão Preterista completo, optando por uma visão Preterista modificada, assinaram uma declaração que eu concordei com a Confissão de Fé de Westminster e seu entendimento futurista do Segundo Advento, etc. Por que essa retratação me incomodou tanto? Simplesmente porque eu não poderia viver comigo mesmo a inconsistências do preterismo parcial, (é impossível conciliar o preterismo parcial com o desfecho escatológico das escrituras). Então Não demorou muito tempo e voltei à visão do preterismo completo que eu estava fortemente familiarizado.

Se você alguma vez passar por uma situação semelhante a essa, sendo pressionado a se retratar na visão do preterismo completo por causa dos credos, NÃO FAÇA! NÃO FAÇAM ISSO!

A outra vez aconteçeu em 1997, quando eu era membro de uma igreja de uma denominação reformada, as investigações que apontavam a visões escatológicas cumpridas assumiu um desfecho bastante diferente de forma que muito me surpreendeu. Em vez das Escrituras sendo o principal ponto focal nesta discussão, foram os Credos da Igreja e os escritos dos Padres da Igreja que tomaram foco na discussão! Meu pastor afirmou claramente a sua posição, (citação) "Quando o Credo é desafiado, você está tentando mudar o próprio fundamento de gerações outrora construído." (Fecha aspas) Ele acusou que eu estava tentando reinventar o cristianismo! Tanto os anciãos e os pastores associados da convenção acreditavam que os primeiros credos emanavam da "tradição oral" e só muito mais tarde foram os escritos apostólicos individuais reunidos para formar o que temos hoje, ou seja, o Canon das Escrituras, que se tornou a nossa Bíblia. De acordo com este ponto de vista, os livros da Bíblia que foram inspirados pelo Espírito Santo eram dependentes dos primeiros Padres; Lembrando que foi a “tradição oral” que o consistiu. O pastor me avisou (aspas) “Não acho que a Igreja” primitiva estudou a Bíblia e veio com a fé do credo, mas sim que eles usaram essa fé comum em reconstituir a Bíblia juntos Se um livro não foi suficientemente citado pelos Padres da Igreja, que não foi incluído no Cânon “(fecha aspas) e com isso ele teria tentado me passar que não poderia haver diferença significativa entre os ensinamentos da Bíblia e os credos, uma vez que ambos foram apoiadas pela a antiga tradição oral”. Os primeiros credos, ou seja, o Credo dos Apóstolos, o Credo de Atanásio, o Credo Niceno foram elevados a uma eclesiástica estatura plena. O pastor também afirmou: (aspas) "A Igreja tem trazido até nós o que eles acreditavam ser a Palavra de Deus e que eles acreditavam ser a interpretação definitiva de que a Palavra em seus fundamentos recebeu diretamente dos Apóstolos." (Fecha aspas) Esta visão sobre como chegamos tanto a nossa Bíblia e os credos, eu descobri, foi retirado da Ortodoxia Oriental e do ensino católico romano, permitindo que ambos os pastores a fazer a declaração de que era (aspas) "a Igreja que nos deu a Bíblia." (fecha aspas)

Manifestamente, se isso é verdade, então se torna claro que a autoridade da Igreja transcende a Palavra inspirada e infalível de Deus. Protestantes de todo tempo sempre alegou que era o próprio Deus que deu à Igreja a Bíblia, como "homens santos de Deus falaram movidos pelo Espírito Santo." (I Pedro. 1:21)

Em seguida, uma reunião em minha casa foi chamado para analisar melhor estas questões. Como a investigação que começou em 1997. Era noite, o pastor anunciou que a discussão seria limitada aos credos e Padres da Igreja. Ele descartou quaisquer referências às Sagradas Escrituras durante a reunião. Eu não podia acreditar no que estava ouvindo! Eu tinha vindo para a reunião preparado para exegese das passagens iminente que apoiara a visão do preterismo completo, eu estava sendo negado a um apelo aos escritos inspirados, a Bíblia. Foram os Credos e as Confissões, que seriam utilizados para determinar se as minhas opiniões eram ortodoxas ou não. Com a consideração das Escrituras proibidas, não havia dúvida de que direção à investigação levaria!

Tomando sugestão de outros pastores de nossa sede denominacional, o pastor pediu que eu respondesse com um simples "Sim ou Não" a cinco questões básicas escatológicas. Imediatamente eu suspeitava uma armadilha! Recusei-me a responder de maneira simplista. A temperatura começou a subir, rapidamente os ânimos começaram a dominar o debate! Logo depois, a reunião terminou. Mas isso não foi o fim, apenas um meio! Quatro dias depois, o pastor de uma igreja Congregacional, anunciou que ele e sua família começaram a frequentar uma Igreja Grega Ortodoxa local no domingo seguinte. Nossa congregação ficou de queixo caído! Ele mais tarde se tornou conhecido entre os Preteristas completo no qual o levou a reexaminar o cristianismo a partir das raízes para cima. Ele disse que a minha visão do Preterismo pleno não o levou a transformar a Ortodoxia.
O pastor havia me dito que eu não estava autorizado a interpretar as Escrituras de uma maneira diferente do que foi ensinado no início dos credos. Portanto, não resta dúvida quanto à autoridade dos credos tomou a posição mais elevada em qualquer que seja a discursão teológica e escatológica. De repente eu me vi sendo um membro de uma igreja que colocou os credos acima da Bíblia, a Palavra inspirada de Deus. Embora ambos os homens tentaram negar isso, ficou claro e evidente. Não muito tempo depois, decidir sair dessa pequena igreja reformada.
Por que eu entro em todos esses detalhes? Simplesmente isto; Acredito sinceramente que em muitos círculos protestantes de hoje, os Credos e Confissões têm vindo a ser elevado a uma posição onde eles estão acima das Sagradas Escrituras em autoridade prática não se preocupam com a exegese das Escrituras basta ir à Confissão ou o Credo.

Como disse Philip Schaff, (citação) “No sistema protestante, a autoridade de (credos), a partir de todas as composições humanas, é relativa e limitada”. Ela não é coordenada com, mas sempre subordinada a Bíblia, como o única e infalível regra da fé e prática cristã. O valor dos credos depende da medida de seu acordo com as Escrituras. Na melhor das hipóteses, um credo humano é apenas uma exposição aproximada e relativamente correta da verdade revelada, e pode ser melhorado com o progressivo conhecimento da Igreja, enquanto a Bíblia permanece perfeita e infalível A Bíblia é a palavra de Deus. Confissão é a resposta do homem à Palavra de Deus A Bíblia tem, portanto, uma divina e absoluta (autoridade), a Confissão apenas uma autoridade eclesiástica e relativa.
Philip Schaff, The credos da cristandade, publicado pela Baker Book House

Podemos acrescentar um caloroso "Amém" a estas declarações de Philip Schaff.

O atual editor da Agenda Credenda, Douglas Wilson, nos mostra o que pode acontecer quando as "exaltadas" tradições humanas tem um lugar de supremacia na igreja. (Citações) "As tradições dos homens são francamente aclamado como as exigências de Deus. Isto pode ser realizado com consistência doutrinária, como os católicos fazem são por tanto inconsistentes, a igreja tem autoridade para apontar para a Palavra de Deus como a Palavra de Deus. Mas não tem autoridade para mentir e elevar a palavras e conclusões de um homens para a mesma posição”.

Wilson continua a afirmar a posição bíblica na relação entre a Escritura e a tradição. (Citações) "A doutrina da Sola Scriptura não significa que a Escritura é a única autoridade religiosa na vida dos cristãos. Antes, Sola Scriptura significa que a Escritura apresenta duas características que definem o seu lugar único na regra da igreja. A Bíblia, e só a Bíblia, é a autoridade máxima no ensino da Igreja, é da Bíblia, e somente a Bíblia, é a única autoridade infalível no ensino e na prática da igreja Estes dois elementos -. Utilidade e inerência - são exclusivos para a Escritura”.

Wilson conclui que (aspas) "uma autoridade falível não está definido como aquele que está errado o tempo todo. Isso é uma coisa boa, como se vê, pois é o magistério falível da Igreja histórica, que nos apontou para o cânone da Escritura... Assim como João Batista, um homem pecador apontou para Cristo, o pecado, por isso a Igreja, uma autoridade falível, tem precisão ao apontar a infalível letras. A única tradição que dá a esse lugar de honra ao Sola Scriptura é a da fé histórica protestante”. (Fecha aspas)-Douglas Wilson, Credenda Agenda, vol. 8, No. 5


Soli Deo Gloria

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

(Preterismo Parcial - Sofrendo de um caso de seletiva não-conformidade)


           JE Gautier Jr.

Confissão de Fé de Westminster
Capítulo XXXI de sínodos e Conselhos III.
 

Todos os sínodos e concílios, desde os tempos dos apóstolos, quer gerais quer particulares, podem errar, e muitos têm errado. Portanto, eles não devem ser feitos a regra de fé ou prática, mas para ser usado como uma ajuda em ambos. (E)
 

Philip Schaff, Os credos da cristandade do século, 19: "No sistema protestante, a autoridade de símbolos, como de todas as composições são humanas e relativamente  limitadas. Elas não são coordenadas com, mas sempre subordinadas a Bíblia, como única regra infalível de fé e prática cristã. O valor dos credos depende da medida de seu acordo com as Escrituras. Na melhor das hipóteses, um credo humano é apenas uma exposição aproximada e relativamente correta da verdade revelada, e pode ser melhorada pelo conhecimento progressivo da Igreja, enquanto a Bíblia permanece perfeita e infalível. A Bíblia é a palavra de Deus; Confissão é a resposta do homem à Palavra de Deus. A Bíblia tem, portanto, uma divina e absoluta (autoridade) a Confissão tem apenas uma autoridade eclesiástica e relativa a qualquer visão superior da autoridade dos símbolos é um protestante essencial". (Vol. I, p.7)

Dr. Louis Berkof, Teologia Sistemática, 1939:"A Reforma adotou o que a Igreja primitiva ensinou respeitando o retorno de Cristo, a ressurreição, o juízo final e a vida eterna ... Dificilmente se pode dizer que as Igrejas da Reforma fez muito para o desenvolvimento da escatologia". (P.663)


Parece que algumas pessoas da fé  Reformada e do preterismo parcial estão sofrendo de um caso de seletiva não-conformidade. Porque suas interpretações de passagens bíblicas particulares agora contradizem a Confissão de Fé de Westminster, eles sentem que estão autorizados a tomar exceção e ainda ser considerados “historicamente ortodoxos”. Seu preterismo parcial, levou-os para uma posição que não é mais de acordo com a CFW e / ou os credos. Agora é aceitável para escolher porções que tenham considerados na necessidade de correção. Todo o tempo, condenando aqueles de uma opinião diferente. O que é considerado herético é agora determinado arbitrariamente. O CFW erra onde eles decidiram.
(Nota:. As citações utilizadas neste artigo, ou seja, Gentry Ken e RC Sproul, são para definir o preterismo parcial, não estão servindo para credenciar Dr. Gentry ou Sproul Dr. com aqueles que estão condenando irmãos e irmãs da fé)
Gentry Ken, em seu quarto ponto de Uma Breve Análise Teológica do hiperpreterismo, afirmou que "tem passagens que especificamente delimitando o prazo por indicadores temporais (tais como" esta geração "," pouco "," à mão ", "próximo", e termos semelhantes) devem ser aplicados a 70 d.C.


CFW Capítulo XXXIII do juízo final
III. Como Cristo nos faria ser certamente convencido de que haverá um dia de julgamento, tanto para deter todos os homens do pecado e para a maior consolação dos justos nas suas adversidades: (f), de modo que ele vai ter esse dia desconhecido para os homens, para que possam livrar-se de toda confiança carnal, e estar sempre atento, porque não sei a que hora o Senhor virá, e pode sempre estar preparados para dizer: Vem Senhor Jesus, vem depressa, Amém (g).
A CFW fornece textos de prova bíblica para a sua posição doutrinária. Sob a seção "g" o versos de apoio Apocalipse 22:20 está listado: "Aquele que dá testemunho destas coisas diz: Certamente, venho sem demora."
A CFW atribui este versículo como prova para um futuro ainda para nós da vinda de Cristo. Se este versículo não está se referindo a 70 d.C. e a interpretação Preterista está errado, então Cristo certamente induziu em erro aqueles a quem esta carta foi originalmente dirigida. Dr. Gentry diz que "esta geração" e "brevemente" deve ser aplicado a 70 d.C. Não é então digno de aceitação para todos que Cristo "brevemente" vindo se refira a sua geração? Então para Cristo não se passar por um enganador, é preciso que o tempo do cumprimento "brevemente" assuma o seu significado natural. Logo, Apocalipse 22:20 deve ser posta no ano 70 d.C.
RC Sproul, em seu livro Os Últimos Dias Segundo Jesus, lista Apocalipse 22:20 como um tipo de indicador temporal que deve ser aplicada a 70 dC. Dr. Sproul mostra que a palavra grega, taxos, "É geralmente traduzido como 'pouco' ou 'rapidamente'. Ela aparece em Apocalipse 1:1; 2:16, 3:11; 22:6, 7, 12, 20 ". (P.138)


Dr. Gentry concorda com Sproul neste momento.
Apocalipse 22:20 refere-se a vinda de Cristo, em 70 d.C.
Deveria ser óbvio que os autores tinham apenas um "tipo de vinda" em mente quando formularam a CFW. E eles interpretaram que vem como ainda no futuro para si mesmo. Dr. Gentry, Dr. Sproul e outros reformados preteristas parciais são forçados a estar em desacordo com a CFW neste momento.Mas não termina aí. Em "f" do Capítulo  xxxiii da CFW Lucas 21:27 - 28 é tido também como um texto de prova ainda no futuro para nós da Segunda Vinda de Cristo."Então eles verão o Filho do homem vindo numa nuvem, com poder e grande glória. Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima."
Lucas 21:25-32 não é a passagem paralela de Mateus 24:29-34 que Gentry Dr. atribui a 70 d.C? (1999 Conferência Ligonier, "A Grande Tribulação") Lucas 21:27-28 está no coração deste texto."E haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade, o mar e as ondas rugindo; coração dos homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que estão vindo sobre a terra, para os poderes dos céus serão abalados. (27) Então eles verão o Filho do homem vindo numa nuvem, com poder e grande glória. (28) Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima então ele falou-lhes uma parábola: ". Olhe para a figueira, e para todas as árvores. Quando eles já estão brotando, você ver e saber por si mesmos que o verão está próximo. Assim também vós, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que o reino de Deus está próximo. Em verdade vos digo que, esta geração não passarão até que todas as coisas ocorram. "
A mesma vinda do Filho do Homem que a CFW postula em nosso futuro, o Preterista parcial diz já está cumprido. Então, ou a CFW é um erro, ou o Preterista parcial.
CFW Catecismo maior Pergunta 56.- Como é que Cristo será exaltado em Sua vinda para julgar o mundo?
Resposta: Cristo deve ser exaltado na sua vinda para julgar o mundo, em que Ele, que foi injustamente julgado e condenado pelos homens maus, virá novamente no último dia em grande poder, e em plena manifestação de sua própria glória, e glória de Seu Pai, com os Seus santos anjos, e com um alarido, e com voz de arcanjo, e ressoada à trombeta de Deus, para julgar o mundo com justiça.

Mateus 24:30 é usado como um texto de prova para esta Resposta: "Então, o sinal do Filho do Homem aparecerá no céu, e então todas as tribos da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória."
Preterismo parcial diz que Mateus 24:30 foi cumprida em 70 d.C. No entanto temo um outro desacordo.


CFW Capítulo XXXIII Do Juízo Final
II. No final de Deus, determinando esse dia é para a manifestação da glória de sua misericórdia, na salvação eterna dos eleitos, e de sua justiça, na condenação dos réprobos, que são perversos e desobedientes. Pois então o justo para a vida eterna, e receberão a plenitude de alegria e refrescia, que deve vir da presença do Senhor, Deus, mas os ímpios que não sabe, e não obedecem ao evangelho de Jesus Cristo, serão lançados tormentos eternos, e puniçõ com a destruição eterna da presença do Senhor, e da glória do seu poder. (E)
Sob os versos de prova previstas nesta seção, Mateus 25:31-46 encabeça a lista.
"Quando o Filho do Homem vier na sua glória, e todos os anjos com ele, então se assentará no trono da Sua glória. Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. e porá as ovelhas à sua direita, mas os cabritos à esquerda. Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: 'Vinde benditos de Meu Pai, recebei em herança o reino preparado para vós desde a fundação do mundo. "Mateus 25:31-34
Compare:"Então, o sinal do Filho do Homem aparecerá no céu, e então todas as tribos da terra se lamentarão e verão o Filho do homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e grande glória. E ele enviará os seus anjos com um grande som de uma trombeta, e eles reunirão os seus escolhidos, dos quatro ventos, de uma extremidade do céu para o outro. "Mateus 24:30-31
RC Sproul diz que Mateus 16:27-28 não se realizou em 70 d.C (1999 Conferência Ligonier, "Loucura últimos dias."), O mesmo vindo em poder e glória, com os seus anjos e seu reino, como diz Mateus 25:31 -46 e Mateus 24:30? "Porque o Filho do Homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos, e então retribuirá a cada um segundo as suas obras. Verdade vos digo que, há alguns aqui que não provarão a morte até que vejam o Filho do Homem no seu reino ". Mateus 16:27-28
Caro leitores; O Cristianismo ortodoxo histórico sempre ensinou uma vinda do Filho do Homem. Quando os reformadores montou o CFW, eles interpretaram duas vindas diferentes; Mateus 24:30 em 70 d.C e Mateus 25:31-46 ainda no futuro? Não! Os reformadores não “dividiram" o Sermão do Monte, como fazem a maioria preteristas parciais. Eles ensinaram que o futuro para os escritores do Novo Testamento ainda "chegando", não tinha ocorrido! De acordo com a CFW e os credos, a vinda do Filho do Homem com poder e glória, com os seus anjos, e em Seu Reino, sempre foi uma vinda, não duas!
De A Parusia, o Dr. James Stuart Russell, 1878: Na chamada "divisão" do discurso de nosso Senhor.
Mateus 24: 35- 36 "O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não passarão. Mas daquele dia e hora ninguém conhece, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai."
"Embora nosso Senhor definisse os limites do tempo em que a consumação previa que aconteceria ainda certa quantidade de indefinição continua respeitando o momento de sua chegada. Ele não especifica a data exata, a hora", ou no dia. "ou mesmo o mês ou o ano Isto não significa que toda a questão do tempo é deixada inquieta: refere-se apenas à data precisa A consumação era pra cair dentro do prazo da geração existente, mas a hora em particular quando, a sentença de condenação deve soar, não foi revelado ao homem, nem anjo, nem (o que é mais estranho ainda) para o próprio Filho do Homem. Ele foi o segredo que o pai mantinha 'em seu próprio poder. " Houve, sem dúvida, razões suficientes para esta reserva Para Ele não ter dito especificado "o dia e a hora. No sétimo ano, e trinta anos, no sexto mês, e ao oitavo dia do mês, a cidade será tomada e o templo queimado no fogo "- não só teria sido inconsistentes com a maneira de profecia, mas teria levado um dos mais fortes incentivos para constante vigilância e oração -. a incerteza do tempo preciso" (Pp.89-90)
"Não há introdução de um novo tópico com o versículo quadragésimo terceiro do capítulo vinte e quatro de São Mateus. Nenhuma transição para outra catástrofe, ou outra diferente vinda daqueles de que Ele tinha todos falando junto sido Não há hiato, sem intervalo, na continuidade do discurso;. nenhuma indicação de passar longe do grande evento que absortos os pensamentos dos discípulos para o outro no futuro distante Parece incrível que qualquer juízo crítico deve selecionar Mateus 24: 43.. como o início de um novo sujeito do discurso. Há não é transição, mas a continuação, no ver. 43. Nada pode ser mais consecutivo e concatenada. "Vigiai, pois, diz o Senhor aos seus discípulos em ver. 42," por que não sabeis o dia ou que hora virá o vosso Senhor. " "Por isso, ficai também vós apercebidos", Ele diz no verso 44., "porque à hora em que não cuidais, o Filho do homem vem. "A sugestão de que um novo tópico, com referência a um evento totalmente diferente, em uma época muito distante do tempo,  introduzido aqui, é totalmente arbitrária e sem fundamento." (pp.96-97)


Dr. Russell em Mateus 25:31-46, as ovelhas e os cabritos. E a harmonia forjada com Mateus 24:30 e Mateus 16:27-28. "Essa vinda do Filho do homem" já foi previsto por nosso Senhor (Mateus 24: 30 e passagens paralelas), e o tempo expressamente definido, sendo incluído na declaração completa, "Em verdade vos digo, esta geração não passará, até que todas estas coisas aconteçam "(Mt 24: 34).
"É digno de nota em particular que a descrição da" vinda do Filho do homem na sua glória 'dada nesta parábola coincide em todos os pontos com a de Mat. 26, 27, 28, de que é expressamente afirmado que seria testemunhado por alguns então presentes quando a previsão foi feita. “(P.103)
Dr. Milton Terry, apocalípticos bíblicos, 1898
"O ponto enfático, no discurso escatológico de Jesus, é que todas as coisas contempladas no simbolismo apocalíptico empregada para descrever a sua vinda e reinado iria seguir" imediatamente após a tribulação daqueles dias "(Mt 24:29). Isso é , a vinda do reino do Filho do Homem é coincidente com a derrubada do judaísmo e do seu templo, e segue imediatamente naqueles dias, o próprio reino é para durar séculos dos séculos. Ele  aumenta como a pedra corta a montanha, que se 'tornou-se um grande monte e encheu toda a terra. " ... Não é difícil ver que, quando se tem já estabelecido em sua mente que o reino de Cristo não é ainda para vir, que a "Parousia" é um evento ainda futuro, e que "o fim do mundo" não é o fim do mundo pré-messiânica, mas "o fim do mundo", tal peso de dogma efetivamente o obriga a anular o simples significado de palavras tão enfático quanto Jesus jamais falou. " (Pp.238-245)
Vejam; A acusação de heresia é feita simplesmente porque você não tem a mesma pressuposição de que seu acusador tem. Mesmo os credos que são utilizados para classificar a "ortodoxia" de outro crente, eles próprios negam pontos de sua própria escolha! Agora é certo não se conformar com os credos ou a CFW? É certo eu me conformar com uma cousas que eles mesmo não respeitam?
Observem nisso tudo que  a visão do Preterismo parcial é retratar uma ilusão de ortodoxia. Eles aplicam o título de "Preterista ortodoxo" para si mesmos. Ortodoxa com o que? Os credos ou confissões? História? Se os credos e confissões determinar a ortodoxia, então o preterismo parcial é bem fora do que é o cristianismo histórico. Mostre-me um, apenas um credo, confissão ou testamento que ensine duas novas vindas de Cristo! Preterismo parcial afirma estar em conformidade com o "cristianismo ortodoxo histórico" porém não está. Talvez, se eles disserem isso várias vezes vão torná-la verdadeira. E é o que está acontecendo.


Soli Deo Gloria

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

UM DESAFIO PARA PASTORES E LÍDERES

 por Walt Hibbard

A visão preterista está crescendo em um ritmo rápido nos dias de hoje. Mais cedo ou mais tarde, a visão atrairá muitos pastores, Lideranças e professores de seminário. A maioria deles não estão familiarizados com a visão, mas como eles continuam a estudar, torna-se claro que o preterismo apresenta um desafio para a visão futurista tradicional. O apoio bíblico para o preterismo é tão avassalador que muitos estudiosos brilhantes e pastores tornaram-se convencido de que o preterismo está correto e o futurismo não pode ser apoiado pelas Escrituras.

Quero que vocês saibam que, este escritor tem enfrentado cristãos acadêmicos, pastores e presbíteros que abertamente mostram uma relutância quase obstinada com as opiniões futuristas que foram ensinados. Meu coração vai para esses líderes cristãos que se encontram nesta situação difícil. O custo de abandonar o futurismo é alto - muito alto, aparentemente, para muitos pastores e estudiosos de pagar!

Pare por um momento e considere o que está envolvido aqui. Vou listar apenas algumas dessas coisas:

1 - Perda de posições ocupacional ou cargo eclesiástico e estresse familiar!

2 - A revisão parcial dos grandes credos ecumênicos e as confissões!

3 - Centenas de comentários da Bíblia encontrada fora de linha com as Escrituras!

4 - Seminários buscando a necessidade de estudar a escatologia de uma perspectiva diferente!

5 – Possível perca de membros e fechamento de congregações!

6 – Desfiliação da convenção e possível exclusão denominacional!


A grande questão continua a ser... Vale a pena? Em última análise, tudo se resume à questão: Será a verdade realmente importante? Não é o propósito do estudo da Bíblia para obtermos uma melhor compreensão da Bíblia? Se assim for, tendo então descoberto o preterismo, o pastor ou estudioso deve ser fiel ao seu ministério:
Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo. Gálatas 1:10

Mas, como fomos aprovados de Deus para que o evangelho nos fosse confiado, assim falamos, não como para agradar aos homens, mas a Deus, que prova os nossos corações. 1 Tessalonicenses 2:4

“Isso me faz lembrar das palavras do Senhor Jesus em uma certa ocasião onde ele questionara as pessoas que ouvia seus ensinos, se maravilhavam, porém se sentiam acuados devido a o sistema religioso, diz então o texto: Apesar de tudo, até muitos dos principais creram nele; mas não o confessavam por causa dos fariseus, para não serem expulsos da sinagoga. Porque amavam mais a glória dos homens do que a glória de Deus. João 12:42-43” Pr. Erivelto Soares

Eu acredito que Deus honra a verdade da Sua Palavra e que a verdade é mais importante para ele do que os nossos problemas acarinhados de preocupação. Eu também acredito que Deus irá apoiar e honrar Seus filhos que dar um passo de fé para ser obediente a ele.

Pergunte a si mesmo esta pergunta: Estou seguro continuar a ignorar os claros ensinamentos de Jesus e esperar que Deus abençoe abundantemente o meu ministerial? Eu quero acreditar em algo, no entanto a tradição  pode ter poder contra as Escrituras? Pois é! é ora de repensar a respeito da procedencia do teu chamado.


O Ap. Paulo foi um religiosa exemplar de sua época, um homem de renome, um incone de sua tradição. Porém quando ele graciosamente conheceu a Cristo, ele considerou tudo da tradição como nada!

Que Deus, o Senhor Jesus Cristo te conduza em coragem e fé ao caminho da verdade. 

" Ainda que também podia confiar na carne; se algum outro cuida que pode confiar na carne, ainda mais eu: Circuncidado ao oitavo dia, da linhagem de Israel, da tribo de Benjamim, hebreu de hebreus; segundo a lei, fui fariseu; Segundo o zelo, perseguidor da igreja, segundo a justiça que há na lei, irrepreensível. Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo. E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo, E seja achado nele, não tendo a minha justiça que vem da lei, mas a que vem pela fé em Cristo, a saber, a justiça que vem de Deus pela fé;" Filipenses 3:4-9



Soli Deo Gloria

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Como houve ressurreição dos mortos em 70 d.C?


Caro leitor, quero pela graça de Deus e isso em poucas linhas, poder passar pra vocês como podemos entender a questão da ressureição dos mortos ter ocorrido em 70d.C. O texto que vou considerar é o clássico I coríntios 15: 51-57
“Eis aqui vos digo um mistério: Nem todos dormiremos mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos serão ressuscitados incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade e que isto que é mortal se revista da imortalidade. Mas, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrito: Tragada foi a morte na vitória. Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Mas graça a Deus que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo”.

Em 1º lugar é indispensável saber que a ressureição escatológica é a ressureição pactual e não física como o sistema religioso ao longo da história tem persuadido. Quero explicar melhor isso; a ressurreição escatológica é a implantação dos escolhidos de Deus mortos da velha dispensação (A velha alinça) para a nova dispensação (A graça de Deus). Prestem bem atenção; a troca da aliança da Lei de Moisés para a Graça de Deus está em curso quando o novo testamento foi inscrito é por isso que muitos fazem uma interpretação errada a cerca da Ressurreição dos mortos.

I coríntios por exemplo, foi inscrito em meados de 56 d.C assim como todo o novo testamento. Então se o preterismo “Completo” prega que tudo se cumpriu em 70 d.C. é óbvio que isso tem um sentido.

Agora, como vou te provar que essa ressureição é pactual? Vou te levar então as Escrituras!
“Naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe, que se levanta a favor dos filhos do teu povo; e haverá um tempo de tribulação, qual nunca houve, desde que existiu nação até aquele tempo; mas naquele tempo livrar-se-á o teu povo, todo aquele que for achado escrito no livro. E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.” Daniel 12:1-2

Esse texto é essencial, pois mostra que a ressureição ocorreu em um tempo em que houve uma grande tribulação cujo qual nunca houve na terra! Veja que a tribulação marcaria o evento escatológico da ressureição. E quando isso aconteceu e que tribulação seria essa?
A resposta está em Mateus 24; porque haverá então uma tribulação tão grande, como nunca houve desde o princípio do mundo até agora, nem jamais haverá. Mateus 24:21

Louvado seja Deus! Esse texto cai como uma luva. Se você tiver o cuidado de analisar o contexto que antecede esse texto, você verá que o cap. 24 de Mateus está tratando do famoso sermão escatológico do Senhor Jesus. Nele o Senhor responde toda questão a respeito do fim do “aiõn” (V.3) é aqui que muita gente tem tropeçado, pois a palavra mundo no verso 3 de Mateus 24 tem sido entendido erroneamente como cosmos e que na verdade não é! A palavra no grego para mundo em Mateus 24:3 é aiõn, que significa; tempo ou período de tempo marcado por sua característica moral e espiritual. O Senhor Jesus está tratando do fim da antiga! A velha dispensação que tinha como símbolo maior o templo em Jerusalém! Os judeus se orgulhavam do templo, o templo tipificava a aprovação de Deus aquela nação e a sua queda seria o fim da Aliança. Observe que o Senhor focou o templo como escopo escatológico; “Ora, Jesus, tendo saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos, para lhe mostrarem os edifícios do templo. Mas ele lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não se deixará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada.” Mateus 24:1-2

Não foi a declaração da queda do templo feita pelo Senhor que o levou a cruz?
“Ora, os principais sacerdotes e todo o sinédrio buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem entregá-lo à morte; e não achavam, apesar de se apresentarem muitas testemunhas falsas. Mas por fim compareceram duas, e disseram: Este disse: Posso destruir o santuário de Deus, e reedificá-lo em três dias. Levantou-se então o sumo sacerdote e perguntou-lhe: Nada respondes? Que é que estes depõem contra ti?”
Mateus 26:59-62

“E os que iam passando blasfemavam dele, meneando a cabeça e dizendo: Tu, que destróis o santuário e em três dias o reedificas, salva-te a ti mesmo; se és Filho de Deus, desce da cruz.” Mateus 27:39-40

A queda do templo levaria o fim da aliança foi por isso que eles o rejeitaram. Observem que mesmo depois que Jesus foi crucificado, os judeus continuaram a render sacrifícios no templo. Foi por isso que a queda do templo em 70d.C foi uma marca memorável. A tribulação que precedeu a sua queda foi única na história, nunca houve e nem nunca voltaria a ser.
Nesse tempo disse Daniel, “muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno” Daniel 12:2
Então nesse texto conseguimos encontrar o momento em que ocorreria essa ressureição.

Morte Hadeana
Muito bem, antes da vinda do reino todos aqueles que morriam ficavam confinados no hades ou sheol conhecido como sepucro, túmulo... lugar dos mortos. Morte Hadeana se interpõe entre a morte física e a morte eterna ou a vida eterna. Sem o Hades, o homem teria passado da morte física para a morte eterna, pois o sangue de Cristo não estava disponível para salvá-los. Portanto, Deus, pois a alma do homem confinando no Hades até o julgamento do último dia.

Morte Eterna: a morte eterna é a segunda morte ou lago de fogo (Geena). (Ap 20:11-15. Cf Mt 10:28) Tudo aquele que não herdar a vida eterna sofre a morte eterna, a destruição no lago de fogo.

Ressurreição Hadeana: Aqui começamos a nos aproximar da ressurreição, real escatológica dos mortos. “O espírito do homem não cessa de existir com a morte física”. Antes da ressurreição do último dia, o espírito do homem foi mantido vivo e consciente por Deus no Hades”. Os ímpios foram mantidos em “cadeias da escuridão” no Tártaro”, reservados para o juízo." (II Pedro 2:4;... Cf Lc 16:19-31) Os justos foram mantidos na Paraiso para a ressurreição da vida. (João. 5:29. Cf Dan 12:2) Aqueles do Paraiso Hades foram descritos como participantes da (Ap 20:3-6; Cf Mc 12:26, 27) "primeira ressurreição." Esta "ressurreição" consistiu dês de o início com Abel e aqueles para frente até a ressurreição escatológica do último dia.


Ressurreição escatológica: A promessa da ressurreição foi feito pela primeira vez no jardim para Adão. “E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua descendência e a sua descendência; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar." (Gênesis 3:15) A promessa de ressurreição aqui é redigida em poéticos termos em que a serpente é destinada para a morte, Eva se destina para o povo de Deus (a igreja), e a semente da mulher apontava para Cristo. A morte vinha atacar Cristo, feriria o seu calcanhar no Calvário, mas Cristo esmagaria a cabeça da morte pelo poder da sua ressurreição. Os justos que estavam reunidos por Deus no Paraíso Hades pela morte física esperavam a ressurreição escatológica. Então no último dia do antigo pacto, Cristo ressuscitou os mortos no Hades; os maus foram lançados no inferno, o lago de fogo, ou a segunda morte; os justos foram levados ao céu Tomando posse assim do reino. Lembrando que o Paraiso Hades já foi destruído. O Justo agora vai diretamente para o céu após a morte do corpo (II Coríntios. 5:1-10) Apocalipse 20:11-15 é a única foto fornecida pela escritura da ressurreição escatológica deixa claro que consistia nas almas individuais levantadas a partir do Hades.

A mudança escatológica
Se a ressurreição escatológica consistia em indivíduos criados a partir do Hades, a “mudança” escatológica era corporativa e de aliança. Ouça Paulo: “Eis aqui vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Por isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revista da imortalidade. Então, quando este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então será levada para passar o que está escrito, A morte foi tragada na vitória. Ó morte, onde está o teu aguilhão? O túmulo, onde está tua vitória? O aguilhão da morte é o pecado, e a força do pecado é a lei. Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo.” (I Coríntios. 15:51-57).
Paulo indica desde já que o que ele está prestes a descrever é um mistério que requer discernimento espiritual para entender, portanto devemos ter nossa compreensão clara no que ele vem prestes a dar. Vejamos, dois grupos são tratados aqui: os vivos e os mortos. Paulo afirma que nem todos os vivos iria experimentar a morte física ("sono") antes da mudança escatológica. Alguns estariam vivos na volta do Senhor. (Cf. Mt 16:27, 28. João 21:20-23) Os mortos seriam ressuscitados incorruptíveis, mas "nós" (os vivos) "mudados." (V. 52) Qual foi essa mudança? Paulo dá a resposta no versículo seguinte: "Por isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revista da imortalidade." (V. 53).
Os mortos foram ressuscitados incorruptíveis, os vivos foram alterados pelo recebimento da imortalidade. Isto é muitas vezes confundido como que significando que os vivos iriam ser "arrebatados" transportados para o reino corporalmente como Enoque, e Elias (cf. João. 21:20-23), isso não é descrito por Paulo no texto. O que era mortal (vida) foi colocado à imortalidade (vida eterna) Paulo falou a respeito da mudança da aliança pelo qual a igreja recebeu a aprovação da filiação e da redenção do domínio do pecado e da morte.
A morte jurídica reinou desde Adão até Moisés, a lei do pecado e da morte não pôde ser sanada pelo sangue de touros e bodes. (Hebreus 10:4) Antes da queda de Jerusalém, toda a criação (judeus e gentios) estava sob cativeiro da corrupção e gemia em dores de parto, esperando coletivamente a redenção do seu corpo. (Rm 8:19-23. Cf Mc 16,15; Col. 1:23;”. Criatura / criação de" Tiago 1:18 sobre o uso do termo) Em sua carta aos Efésios, Paulo fala da "redenção e da possessão." (Ef 1:14) Na cruz, Cristo comprou a salvação do homem. Mas a possessão e a redenção (da igreja) mantiveram-se a ser resgatado quando Cristo teve que retornar a sua noiva e receber para si mesmo. (Cf. Ef 5:27. Cf Ap 19:7-9; 21:9) Assim, durante o cruzamento dos pactos, a igreja continuou sob o domínio do pecado e da morte, olhando para a redenção, o tempo quando o benefício do sangue de Cristo viria em pleno vigor e efeito e que os eleitos receberiam a imortalidade e a filiação divina.
Creio que isso seja o suficiente para a compreensão de que a ressureição ocorreu em 70d.C pois a ressureição foi pactual e não física como muitos esperam.

Pr. Erivelto Soares

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Qual a razão de tanta repugnância ao preterismo completo?


  Por Erivelto Soares

Porque o preterismo completo tem incomodado tanto as pessoas? Qual é a razão de tanta fúria, se a posição do preterismo completo é somente de anunciar que Cristo o Senhor é Rei sobre as nações e governa as nações com vara de ferro. Como pode haver tanta indignação nisso, se a glória não é humana e nem denominacional? Gente, pelo amor de Deus, não é o diabo que reina não e Deus! Será que se estivéssemos anunciando que o diabo é rei seriamos mais aceito?
Qual é o ganho daqueles que anunciam o preterismo completo? Fama? Lucro? Status? Glamour? Qual benefício que labutamos se não for a ouvir o nome de Cristo sendo exaltado entre as nações?

É impressionante como a religião cega as pessoas! Veja que é o mesmo que aconteceu com os Religiosos judeus do tempo de Jesus. As profecias apontavam para o surgimento do messias, o cordeiro de Deus que tiraria o pecado, aquele que vinha assentar no trono de Davi: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz. Do aumento deste principado e da paz não haverá fim, sobre o trono de Davi e no seu reino, para o firmar e o fortificar com juízo e com justiça, desde agora e para sempre; o zelo do SENHOR dos Exércitos fará isto". Isaías 9:6-7

"E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. Portanto os entregará até ao tempo em que a que está de parto tiver dado à luz; então o restante de seus irmãos voltará aos filhos de Israel. E ele permanecerá, e apascentará ao povo na força do SENHOR, na excelência do nome do SENHOR seu Deus; e eles permanecerão, porque agora será engrandecido até aos fins da terra". Miquéias 5:1-4

"Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente. E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo; E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor, pelo profeta, que diz; Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco". Mateus 1:19-23

Qual foi a reação dos Judeus religiosos quando todas essas profecias foram manifestas em Cristo? Rejeição! Escarnio! Repugnância: "E outra vez entrou na sinagoga, e estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada. E estavam observando-o se curaria no sábado, para o acusarem. E disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te e vem para o meio. E perguntou-lhes: É lícito no sábado fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? E eles calaram-se. E, olhando para eles em redor com indignação, condoendo-se da dureza do seu coração, disse ao homem: Estende a tua mão. E ele a estendeu, e foi-lhe restituída a sua mão, sã como a outra. E, tendo saído os fariseus, tomaram logo conselho com os herodianos contra ele, procurando ver como o matariam". Marcos 3:1-6

"Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão, e nunca servimos a ninguém; como dizes tu: Sereis livres? Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.
Bem sei que sois descendência de Abraão; contudo, procurais matar-me, porque a minha palavra não entra em vós. Eu falo do que vi junto de meu Pai, e vós fazeis o que também vistes junto de vosso pai. Responderam, e disseram-lhe: Nosso pai é Abraão. Jesus disse-lhes: Se fósseis filhos de Abraão, faríeis as obras de Abraão. Mas agora procurais matar-me, a mim, homem que vos tem dito a verdade que de Deus tem ouvido; Abraão não fez isto. Vós fazeis as obras de vosso pai. Disseram-lhe, pois: Nós não somos nascidos de prostituição; temos um Pai, que é Deus. Disse-lhes, pois, Jesus: Se Deus fosse o vosso Pai, certamente me amaríeis, pois que eu saí, e vim de Deus; não vim de mim mesmo, mas ele me enviou.
Por que não entendeis a minha linguagem? Por não poderdes ouvir a minha palavra. Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira. Mas, porque vos digo a verdade, não me credes. Quem dentre vós me convence de pecado? E se vos digo a verdade, por que não credes? Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não as escutais, porque não sois de Deus.
Responderam, pois, os judeus, e disseram-lhe: Não dizemos nós bem que és samaritano, e que tens demônio?  Jesus respondeu: Eu não tenho demônio, antes honro a meu Pai, e vós me desonrais. Eu não busco a minha glória; há quem a busque, e julgue. Em verdade, em verdade vos digo que, se alguém guardar a minha palavra, nunca verá a morte. Disseram-lhe, pois, os judeus: Agora conhecemos que tens demônio. Morreu Abraão e os profetas; e tu dizes: Se alguém guardar a minha palavra, nunca provará a morte. És tu maior do que o nosso pai Abraão, que morreu? E também os profetas morreram. Quem te fazes tu ser?
Jesus respondeu: Se eu me glorifico a mim mesmo, a minha glória não é nada; quem me glorifica é meu Pai, o qual dizeis que é vosso Deus. E vós não o conheceis, mas eu conheço-o. E, se disser que o não conheço, serei mentiroso como vós; mas conheço-o e guardo a sua palavra. Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se. Disseram-lhe, pois, os judeus: Ainda não tens cinqüenta anos, e viste Abraão?
Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou. Então pegaram em pedras para lhe atirarem; mas Jesus ocultou-se, e saiu do templo, passando pelo meio deles, e assim se retirou".
João 8:31-59

"Ora, no dia da festa costumava soltar-lhes um preso qualquer que eles pedissem. E havia um chamado Barrabás, que, preso com outros amotinadores, tinha num motim cometido uma morte. E a multidão, dando gritos, começou a pedir que fizesse como sempre lhes tinha feito. E Pilatos lhes respondeu, dizendo: Quereis que vos solte o Rei dos Judeus? Porque ele bem sabia que por inveja os principais dos sacerdotes o tinham entregado. Mas os principais dos sacerdotes incitaram a multidão para que fosse solto antes Barrabás.
E Pilatos, respondendo, lhes disse outra vez: Que quereis, pois, que faça daquele a quem chamais Rei dos Judeus? E eles tornaram a clamar: Crucifica-o. Mas Pilatos lhes disse: Mas que mal fez? E eles cada vez clamavam mais: Crucifica-o"
. Marcos 15:6-14

Vejam! As profecias se cumpriram. O Rei dos judeus, o Emanuel, o príncipe da paz estava entre eles, porém eles não atentaram para o tempo de sua visitação (Lucas 19:41-44). Eles esperavam um estadista! Um comandante de guerra! Quando eles viram um como filho de carpinteiro, de vida humilde e que só anunciava perdão, amor e paz, logo eles não conceberam  ser Cristo o cumprimento das Profecias messiânicas. E isso lhes custou mui caro!

Da mesma forma é com relação à exposição escatológica do preterismo completo! Falar de um reino presente no momento em que o mundo enfrenta uma histórica crise mundial? Homicídios e furtos crescem a cada dia! Como isso pode ser possível???? (eles interrogam) Porém a Bíblia é clara: E, interrogado pelos fariseus sobre quando havia de vir o reino de Deus, respondeu-lhes, e disse: O reino de Deus não vem com aparência exterior. Nem dirão: Ei-lo aqui, ou: Ei-lo ali; porque eis que o reino de Deus está entre vós. Lucas 21:20-21
O que é que se entende de um reino de não aparência exterior e que não poderia ser identificado aos olhos humanos?

Então, antes de sair por fazendo oposição ao preterismo completo, sejas mais definido em suas razões e tenha mais um pouco de humildade quanto a interpretação dos textos. Eu não sei o que lhe motiva a isso, eu só sei que não é a glória de Deus e sim um sentimento religioso de inveja e afeições carnais.

Lembremse, Preterismo completo só apregoa a magestade de Deus em execusão presente sobre a terra enquanto a religiosidade só tem se dedicado em adiar, adiar e adiar.

Soli Deo Gloria

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

"Até que Ele venha": Entendendo a questão da ceia.


        Por Don Preston 

A doutrina Preterista da Parousia apresenta uma questão desafiadora no que respeita à ceia eucarística. Em 1 Coríntios 11:26, Paulo disse: "Todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice anunciai a morte do Senhor, até que Ele venha". O argumento contra a doutrina Preterista talvez melhor resumida nas palavras de Gus Nichols quando ele debateu Max King, "Até que ele venha, temos que mostrar a sua morte por comer a ceia. Mas se ele veio 1900 anos atrás No ano 70 d.C. em seguida, a Ceia do Senhor deveria ter sido parada! " (Nichols-Rei Debate, 1973).
A questão para o Preterista, então, é simples. Se Jesus veio pela última vez em 70 d.C. os cristãos devem hoje continuar a observar a Ceia do Senhor?
Eu sou um Preterista e afirmo que a Ceia é para ser tomada hoje. As razões são apresentadas abaixo.
 
Promessa de Jesus
Em Mateus 26:26 nosso Mestre instituiu a Ceia e prometeu: "Eu não vou beber doravante deste fruto da videira, até aquele dia em que o beba de novo convosco no reino de meu Pai".
Este texto é geralmente interpretado no sentido de que, quando o reino foi estabelecido no dia de Pentecostes e da igreja começou a comemorar a Ceia, esta foi à forma "nova" que o Senhor Jesus tinha em mente.
Em primeiro lugar, o significado de "novo". Arndt e Gingrich diz que a palavra "novo" kainos (grego), significa novo, no sentido de nunca ter sido antes, ou novo como no superior em contraste com a idade. Em outras palavras o novo como forma de qualidade, de natureza diferente. Veja também Thayer, p. 317. Kittel diz que kainos enfatiza o que é "novo e distinto ... O que é novo na natureza ... melhor que o velho, superior em valor ou atração ..." (Vol. III. P.447).
Esta novidade é um aspecto esquecido da Ceia, especialmente no que diz respeito à Parousia. A ceia não era uma instituição totalmente nova. Era a Páscoa cumprida. Mesmo que o maior significado, no entanto, não foi levado a bom termo até a salvação operada pela morte de Jesus que foi consumada. A consumação da salvação que estava "pronto para se revelar no último tempo" I Pedro 1:5. Comprovada comparando I Pedro 1:5 com I João 2:18.
Isto traz-nos ao segundo princípio frequentemente negligenciado: O período de maturidade da igreja. O sistema religioso tem ensinado que quando a igreja foi fundada no dia de Pentecostes, ela era completa, madura, sem mácula. Tal argumentação é pouco consistente. Também é interessante ouvir a insistência veemente por parte de alguns escritores que a igreja foi criada em totalidade e plenitude no Pentecostes. Esta doutrina tem algumas implicações sérias como um artigo futuro vai demonstrar.
Durante o período de tempo em que a igreja estava chegando à maturidade (o que é às vezes chamado de um período de transição) há várias coisas mencionadas no Novo Testamento como sendo a realidade presente, mas que também foram mencionados como realidades próximas. Invariavelmente, o aspecto futuro dessas coisas que vêm é uma de iminência.
A lista a seguir irá demonstrar algumas das coisas que eram ambas às realidades atuais, mas também objetos de expectativa iminente.
Graça: Presente: Romanos 5:2, I Coríntios 3:10; Futuro iminente: Efésios 2:7/II Coríntios 4:15.
Glória: Presente: Colossenses 1:10-11; Futuro iminente: II Tessalonicenses 2:14.
Salvação: Presente: Efésios 2:8-9; Futuro iminente: Romanos 13:11, Hebreus 9:28.
Adoção: Presente: Romanos 8:15; Futuro iminente: Romanos 8:23.
Reino: Presente: Colossenses 1:13; futuro iminente: Lucas 21:29-32; I Tessalonicenses 2:12.
Como é que este período de transição se relaciona com a questão presente? Acreditamos que a resposta pode ser encontrada no termo "novo" (kainos).
É incontestável que, quando a igreja começou a observar a Ceia de Pentecostes, Atos 2, para frente, I Coríntios 11, eles estavam participando dela de uma maneira nova. Não foi a Páscoa Velha. Ele tinha um novo significado.
Mas, enquanto a Ceia teve um novo significado durante este período de transição, ainda não tinha encontrado a sua perfeição. Da mesma forma que os primeiros cristãos tinham glória, a vida, a graça, a salvação, a adoção, e o reino (mas ainda estavam esperando a consumação iminente dessas coisas), assim foi com a Ceia do Senhor. Era novo, mas ainda não aperfeiçoado.
Quando é que um novo significado da Ceia encontrar a perfeição ou consumação, de modo que, longe de cessar, ela seria levada da maneira prevista de novo? A resposta pode ser encontrada em Lucas 22:15-18.
Nesses versículos, Jesus prometeu: "Eu não comerei mais até que ela se cumpra no Reino de Deus." No versículo 18, ele enfatizou, “Eu não vou beber do fruto da videira, até que venha o reino de Deus”.
Jesus prometeu participar da Ceia de uma nova maneira quando o reino estivesse chegado. Geralmente é ensinado que o reino entrou em sua totalidade no dia de Pentecostes. Tal não é o caso, no entanto.
Em Mateus 16:27-28 Emanuel prometeu vir na glória de seu Pai, com os anjos, para julgar o mundo. Ele, então, declarou enfaticamente que alguns que vivem em seguida, não morreriam até que eles o tivessem visto chegando no reino. Isso não aconteceu no dia de Pentecostes! Isso, então, é uma referência a uma futura vinda do reino após a sua criação, em Pentecostes.
Além disso, em Lucas 21:31 nosso Mestre olhou para a frente para os sinais que precederam a queda da teocracia judaica, e disse: "... quando virdes essas coisas acontecerem, sabei que o reino de Deus está perto." Essas "coisas" pressagiar um evento que não aconteceu até 37 anos depois do Pentecostes; ainda, eles foram presságios para a vinda do reino! Assim, o reino (em qualquer sentido que Jesus estava se referindo a ele) não teria chegado até totalmente 70 d.C.
Não poderia ser que, enquanto a igreja comeu a Ceia de uma maneira nova, ainda imperfeita, no presente reino ainda imperfeito, que quando o tempo da perfeição chegou eles comeram a Ceia aperfeiçoada no reino aperfeiçoado?
Eu sugiro que este é o caso. Assim, quando Paulo em I Coríntios 11:26 disse que eles estavam para mostrar a morte do Senhor "até que ele venha", ele estava aguardando ansiosamente, não para a cessação, mas a consumação da Ceia.
A volta do Senhor, com toda a certeza foi o tempo bastante esperado para os irmãos de Corinto (I Coríntios 1:4-8; 7:29-31; 13:8-13), não foi tanto com a finalidade de destruir o velho sistema levítico como foi para cumprir e de levar a cabo o Regime da Redenção. Como a igreja primitiva em comunhão com o Senhor na sua Ceia (I Coríntios 10:16-21), lembraram-se de sua morte e sofrimentos. Eles avidamente desejavam para o seu retorno, quando a Festa não seria apenas uma lembrança do passado, mas uma celebração com Ele em um reino completamente estabelecido e triunfante. Depois que Jesus veio em 70 d.C A Ceia poderia finalmente ser tomado aperfeiçoado da forma “nova" de que falava.
Hoje, como filhos de Deus também participamos da Ceia. Não na expectativa de uma salvação vinda, mas na realização de uma salvação realizada através do sofrimento de nosso Senhor. A ceia não era para cessar na volta de Jesus. Foi e é para ser tomada na apreciação de seu trabalho realizado.
 
Outras considerações
O acima são algumas das razões pelas quais eu acredito que a Ceia deve ser tomada hoje. Mas os opositores da interpretação Preterista precisam perceber que há problemas mais sérios com a sua argumentação e da postular tradicional.
Primeiro, quando é argumentado que, se Jesus veio em 70 d.C. E a Comunhão não deve ser tomada hoje, porque era para ser tomada "até que ele venha", deve-se perceber que essa afirmação não tem nem um pouco de influência sobre se Jesus veio! Não há nenhuma coisa a dizer sobre se o Senhor cumpriu a sua promessa de voltar naquela geração, Mateus 16:27-28. “Não abordam se os Coríntios realmente viveram até o dia do Senhor, I Coríntios 1:4-8”. Ou lidam com as declarações de tempo, tais como em I Cor 7:29. “O tempo é curto"
O argumento mencionado acima é pura e simplesmente um "E agora?”. Além disso, é geralmente dada em um contexto emocional em desrespeito da veracidade da questão “do perto”... Jesus realmente manteria a sua palavra e retornaria no primeiro século?
Para afirmar que, se Jesus voltou em 70 d.C, então a Ceia não é para hoje, como observou a simples questão "E agora?" Independentemente de a Ceia ser tomado hoje (e já dissemos em termos positivos a nossa convicção de que é), deve-se responder a pergunta do momento para Epifania de Jesus. E no texto muito usado por aqueles que se opõem à visão Preterista é uma prova que está sendo totalmente ignorado.
Você Não anunciai a morte do Senhor
Uma das primeiras regras da hermenêutica, seja bíblico ou secular é fazer perguntas certas; quem, o quê, quando, onde, por que e como. Tem-se esquecido alguns destes princípios básicos na tentativa de defender conceitos tradicionais!
Quando Paulo escreveu o livro sob o seu ponto de vista, a quem era endereçada? Não foi aos de Corinto?  Os irmãos de Corinto ainda estão vivos hoje? Isso é muito importante. Quem é o que Paulo disse que tomaria da Ceia do Senhor até que voltasse?
Uma leitura cuidadosa do texto irá revelar o uso muito pessoal de Paulo de "você" que é usado para não falar de todos os cristãos em um sentido atemporal, mas do de Corinto, especialmente.
Note então o uso de Paulo de "vos".
1) 11:17 -. "Eu não vos louvo..."
2) 11:17 -. "Vos ajuntais não para melhor ..."
3) 11:18 -. "Quando vos reunis na igreja... eu ouço há divisões entre vós..." 
4) 11:19 -. "Deve haver entre vós facções... que aqueles que são aprovados podem ser reconhecidos no meio de vós."
5) 11:20 -. "Quando vos reunir em um só lugar, não é para comer a ceia do Senhor."
6) 11:22 - "O quê? Vos não tem casas para comer e beber"
7) 11:22 - "Vos desprezam a igreja de Deus e envergonhais os que nada têm?"
8) 11:23 - "Eu recebi do Senhor o que eu entregue vos entreguei."
9) 11:30 -. "Por esta causa há entre vos muitos fracos e doentes."
Agora temos que notar que hoje existem muitas coisas que levamos em conta na situação de Corinto. Nós sabemos que é errado transformar a ceia em uma refeição comum, e que aqueles que observam a Ceia deve discernir o corpo. Aprendemos isso com as lições especificamente dirigidas aos Coríntios sobre os seus problemas e situações.
 
Resumo
Tenho minhas razões delineadas por acreditar que a Ceia é para ser tomada hoje, embora eu creio que Jesus voltou em 70 d.C. A ceia de hoje é para ser tomada não em antecipação, mas em realização na forma prevista "novo". O reino foi estabelecido e nele estamos de posse.
Aqueles que sustentam que a Ceia deve ser interrompida se Jesus voltou em 70 d.C. tem ignorado as declarações contextuais de I Coríntios 11. Eles ignoraram o uso pessoal de Paulo de "vos" e eles têm ignorado o significado da Ceia sendo tomadas pelos irmãos de Corinto "até que ele venha", e impôs um significado singular em "até" que não é contextualmente necessário.
Por estas razões, acreditamos que a Ceia não foi para deixar de existir na volta do Senhor. É para ser tomado na apreciação de seu trabalho realizado.
"Vamos, portanto, celebrar a festa... com os ázimos da sinceridade e da verdade." I Cor. 5: 8.
Adendo
Para um estudo mais aprofundado e corroboração Sugiro um estudo da natureza típica da Páscoa.
Israel comeram a Páscoa no Egito, à noite antes de partirem, enquanto a terra prometida era ainda uma promessa, Êxodo 12-14.
Israel celebrou a Páscoa depois de ser libertados do Egito, e como eles viajaram para a terra prometida, Números 9:2-5.
Finalmente, que a festa foi tomada depois de Israel ter conquistado a sua terra e comido os doces frutos de vitória, Josué 5:6-12.
Não é esta a simbólica da Ceia do Senhor, nossa Páscoa, I Coríntios 5:7-8? Ele foi levado na noite de sua traição, e recebido pela igreja em sua jornada para a salvação prometida, I Pedro 1:5 e 2:11. Hoje no reino, apreciamos a vitória operada por Jesus, que temos da ceia em comemoração dessa libertação.



quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Refutando a ressurreição física (Do Corpo Físico)


Muitos teólogos e comentaristas ensinam que a ressurreição será no corpo onde poderemos encontrar os irmãos na fé em Jesus, Abraão, Jacó... Tudo isso devido à má compreensão da ressurreição no corpo do Senhor Jesus sendo ele a primícias dos que dormem. Vamos então entender isso; o significado da ressurreição de Cristo foi o seu poder sobre o Hades não, sobre o túmulo físico. Assim, em Apocalipse 1:18, Jesus disse: "Eu sou aquele que vive e fui morto, e eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno” Jesus não disse que ele tem as chaves do túmulo físico, mas do “inferno”. (Hades). A promessa da ressurreição foi à libertação das almas do hades, não restaurar o organismo ou vida física não. Como praticamente todas as outras ressurreições corporais registradas nas escrituras, a ressurreição física de Jesus era principalmente prova, que Ele foi destinado a servir como uma demonstração do poder de Deus entre o seu povo e que ele falou realmente através de Jesus. É interessante que na ressurreição dos santos escrito em Mateus. 27:52, 53, Mateus acrescenta a declaração da qualificação, dizendo: "os corpos dos santos que dormiam foram ressuscitados." O objetivo desta ressurreição dos corpos dos santos foi o de fornecer evidências da ressurreição de Jesus e que ele era o prometido Messias. Mateus acrescenta que a declaração da qualificação sobre seu corpo serviu apenas para mostrar que há uma ressurreição do espírito ou da alma que o corpo não participa. Rom. 1:4 diz que “Jesus foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espírito de santidade, pela ressurreição dos mortos." Na ressurreição, Deus declarou que Jesus era seu Filho, justificando reivindicações de Jesus durante sua vida. Mas isso não poderia ser realizado sem a ressurreição do corpo de Jesus. Se Deus tivesse apenas ressuscitado a Jesus no espírito ao céu, não teria havido nenhuma prova objetiva da Filiação de Cristo. Ao contrário, a presença contínua do corpo no túmulo teria mostrado que Jesus seria uma fraude e um mentiroso. Na verdade, o propósito por trás do sepulcro aberto foi para que o homem pudesse entrar e ver que o Senhor foi ressuscitado verdadeiramente como falou. A ressurreição corporal do Senhor por tanto forneceu evidências empíricas de que Jesus era o Filho de Deus, da qual os apóstolos foram feitos testemunhas. (Lc 24:48. Marcos; Atos 1:8) A ressurreição corporal de Cristo, serviu a um propósito único que faz a ressurreição de Jesus diferente do nosso. O termo "primícias" por tanto não pode ser posta ao serviço da doutrina de uma ressurreição da carne.
(I Coríntios 15:50)

Resumindo:
A ressureição dos mortos tão esperada pelo sistema religioso nada mais foi de que um evento voltado diretamente à igreja do primeiro século. Santos e injustos estavam no hades, pois o pecado e a morte tinham poder contra eles, na verdade não só a eles, mas a todos aqueles que estavam vivos antes de 70 d.C. todos aqueles que tiveram parte na primeira ressureição (Ressurreição Jurídica e moral) não estavam isentos da morte hadeana. Então vindo Cristo ao soar da trombeta de Deus, a lei do pecado e da morte deixou de existir, o hades foi abolido, os justos tomaram posse do reino e os condenados foram para dentro do lago de fogo, a saber, a segunda morte. Com relação a nossas vidas hoje já falamos; o Justo agora vai diretamente para o céu após a morte do corpo (II Coríntios. 5:1-10) Apocalipse 20:11-15. O problema é que as pessoas querem uma prova visual desse evento, porém a Bíblia é clara que o reino é Espiritual. (Lucas 17:20-21).
 
Referencia: A Bíblia d estudo anotada e comentários de 1 Coríntios 15, Mateus 24, I Tessalonicenses 4 por Don Preton, Kurt Simmons e William Bell, Jr

domingo, 12 de agosto de 2012

Jesus aparecerá segunda vez?


      Bp. Sérgio Angelo 

        Texto: Hebreus 9:28
Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.

99% do povo de Deus acredita nesse equívoco, que acontece porque os evangélicos não estudam com profundidade o assunto; “Parousia”, vinda do Senhor nas nuvens, manifestação do Senhor espiritual invisível. Uma vinda diferente da primeira, não em carne, isto é, fisicamente, no qual as pessoas daquela geração do primeiro século podiam vê-lo.
Paulo afirmou que o Senhor viria sem pecado, isto significa o quê? Significa que agora o Senhor não carregaria num corpo de carne os pecados do seu povo de todas as gerações. Essa expressão é interessante. Entendemos perfeitamente o que Paulo quis dizer. Jesus quando se manifestou pela primeira vez em carne (João 1: 31; I Timóteo 3: 16; I João 3: 5). Ele se manifestou fisicamente para tirar os pecados do seu povo. Quando foi isto?! Nos dias da sua carne, o verbo se fez carne (João 1: 1-4, 10), isto é equivalente a primeira vinda do Senhor em forma de homem. Veja em Isaías 53: 2-5. Ele apareceu como o Messias, traduzindo, veio em carne para poder carregar nossos pecados, se fez ignomínia (grande desonra) na cruz, tudo por amor a nós.
Quando Paulo fala que o Senhor Jesus apareceria pela segunda vez, estava se referindo que essa vinda (parousia) seria espiritual naquele mesmo século I, para acerto de contas em relação aos Judeus apóstatas, para cumprir uma sentença que ele mesmo pronunciou que ele mesmo predisse contra aquela geração hipócrita, uma geração obstinada, uma geração adultera e perversa. Paulo assegurou que essa geração, a semelhança do que o Senhor predisse no sermão escatológico, no sermão profético em outras passagens do cânon do novo testamento que pereceria. Os fiéis aguardavam a sua vinda (parousia) para a salvação que seria manifestada no último  dia (Hebreus 9: 28c). “Aos que aguardam para a salvação”. I Pedro 1: 5 “Que sois guardados pelo poder de Deus, mediante a fé, para a salvação preparada para revelar-se no último tempo”. Último tempo daquele século, ou último dia daquela era, período, Aion; na consumação daquele século I. A epístola de Pedro foi escrita entre 63-64 d.C. Portanto, todos os apóstolos escritores e Lucas, tinham entendimento do Sermão Profético do Senhor Jesus, que a segunda vinda dele, seria com precisão naquele século. Especular uma vinda para além de 70 d.C, é querer defender uma terceira vinda inexistente. Não há base para isso, é uma falácia, é fantasioso, é deturpar uma profecia já cumprida.
Aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardavam para a salvação (Hebreus 9: 28b). Temos que levar em consideração, que esse verbo “aparecerá” não significaria para um futuro bem distante, ou um futuro após o século I. O próprio Paulo pensava que estaria vivo para presenciar tal fato, mas não foi possível; Cristo tinha outros planos para ele. Paulo morreu antes de 70 d.C, 67-68 d.C. em Roma, por ordem de Nero, visto que Nero em 68 d.C. Suicidou-se. A epístola aos hebreus foi escrita em 63 d.C.
Veja que as predições do Senhor Jesus escritas pelos apóstolos se harmonizavam com a história da igreja do Primeiro século. Se ajustam com os relatos de Flávio Josefo. A segunda manifestação de Cristo não poderia ser mais num corpo de carne, como filho do homem ou Jesus nos dias de sua carne (João 1: 14). Aquela carne, isto é, o Ente-santo que revestiu o verbo, o Senhor, naquele corpo, não habitou pecado. O segundo advento foi invisível, mas real. Portanto, Ele veio para confirmar a salvação que foi prometida antes dos tempos eternos (2 Timóteo 1: 9; Romanos 13: 11; 2 Tessalonicenses 2: 13; 2 Timóteo 2: 10; Atos 13: 48; Filipenses 3: 20). Alguns irmãos fiéis daquela geração vivenciaram tal gozo, tão grande salvação e muito mais, quando deixaram o corpo físico (morte) e passaram a desfrutar da plenitude da salvação, que será o nosso caso. Já estamos vivendo a realidade dessa salvação, ao sair deste corpo físico, participaremos também da plenitude desta salvação. Epístola de Judas 24.
A epístola aos Hebreus foi escrita para os contemporâneos de Paulo. Ele apresenta vários temas, entre os quais, nos dias daquele século, Cristo falou, ensinou, predisse, fez a purificação dos pecados do seu povo e depois subiu aos céus (Hebreus 1: 1-3). Em Hebreus 9: 28, Paulo está dizendo que Cristo não viria mais para fazer purificação dos pecados dos seus escolhidos, isto é, confirmando em Hebreus 10: 12, 14. Pensar, defender que essa volta de Cristo ainda não se cumpriu, é dizer que Cristo não fez ainda a purificação dos pecados dos filhos de todas as gerações (2 Pedro 1: 9; Efésios 5: 26, 27). Paulo está confirmando que o Senhor Jesus purificou a sua igreja para que ela pudesse ser gloriosa, sem mácula, sem ruga e nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito para Ele.
Portanto, as duas vindas de Cristo ocorreram no século I, naquela geração adultera, a sua primeira vinda foi em carne, para carregar no madeiro os pecados do seu povo (I Pedro 2: 24; Mateus 1: 21). A segunda vinda (Parousia), literalmente presença invisível de Cristo nas nuvens. Veja em Mateus 16: 27, 28; Lucas 17: 20, 24-30. Essa vinda, isto é, a segunda, não seria de forma observável. Portanto, se a vinda do reino não seria observável, então, segue-se que a vinda do rei da glória em seu reino também não seria observável e sim espiritual. (I Timóteo 1: 15-17)

A Deus seja a glória

 Bp. Sérgio Angelo dos Santos é o presidente da Congregação Evangélica Remanescentes da Graça Recife-PE, ministério cujo qual o Pastor Erivelto Soares está ligado.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

McDurmon Vs Preston (Debate Público)


Por William Bell 22 de julho de 2012 

Entre 19-21 de Julho aconteceu o maior debate público dos últimos tempos sobre as questões escatológicas a respeito do fim e a ressureição dos mortos em Ardmore EUA. Entre os debatedores estavam Don Preston (Defendendo a posição preterista) e Joel McDurmon (Defendendo a futurista)

William Bell que estava na plenária e testemunhou tudo declarou:

Joel McDurmon tentou estabelecer em sua afirmativa de que existe um fim ainda no futuro último, com um número limitado de cristãos eleitos redimidos sendo salvos após o qual Deus "finito" programou.
 

João 5:28-29
Joel começa citando João 5:24-29. Ele tenta fazer uma distinção de tempo entre a iminência e a afirmação da vinda de Cristo no versículo 25:
"Em verdade, vos digo que, uma hora está chegando, e agora é, quando os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus,. E os que a ouvirem viverão" Joel concordou com os preteristas completos que este texto se refere a o evento que aconteceu após a cruz, precisamente na parousia de Cristo em 70 d.C. Ele reconheceu que as declarações de tempo teve que ser honrado.
No entanto, ele afirmou que essa declaração de tempo não foi repetida no contexto adiante. Ele quis dizer "explicitamente" no versículo 28, sendo assim, significa segundo Durmon, que os dois textos estão separados no tempo por eras e eras, em vez de remeter para o mesmo evento.
A Lógica de Joel sobre o versículo seria declarado como segue:
Qualquer contexto escatológico com uma declaração de tempo explícito iminente que não repita essa afirmação de tempo em cada verso ou que tem um verso que omite a "completa" declaração de tempo integral não pode se referir a um mesmo evento.
Desde o versículo 28, devido à pontuação, não incluir ou repete a frase inteira do verso 25, os dois não se pode falar de um mesmo evento. Isso seria negar todo o tempo do texto na escritura, incluindo a que ele admite que se refere a 70 d.C. 


O Último Dia Versus A Última Hora
Mc Durmon então tentou usar João 5:28-29 para afirmar a ressurreição do último dia estar no futuro. No entanto, João 5:28-29 nem mesmo usar o termo "último dia"! Joel pode encontrar uma referência ao último dia que não está no texto para empurrar este texto para além de 70 d.C a um tempo ainda futuro na história que ele afirma terminar? Óbvio que não!
Na verdade João não estava discutindo o último dia em João 5:24-29. Seu tema era a "última hora". No entanto, quando o texto de 1 João 2:18-19, foi apresentado durante a sessão, Mc Durmon teve dificuldade tremenda de abordá-lo.
A última hora é um tempo muito mais curto e expressa iminência até mais do que o último dia. A lógica seria a última hora do dia. (Veja como Jesus falou do último dia, ou seja, o [último] dia do dilúvio, e no dia [último] de Ló, quando Deus fez chover fogo e enxofre do céu, (Lucas 17.26-29). Jesus disse que sua vinda Seria exatamente como esses eventos! (Lucas 17:30-31). Não foi o fim da história.
Paulo usa a "última hora", nesse mesmo sentido, em Romanos 13:11-12. Ele diz que agora é a "hora" de despertarmos do sono. Essa é a última hora antes de sair da cama. Por quê? Porque a noite estava passando depressa. Essa foi à noite do último dia! Houve apenas uma hora, ou seja, a última hora para antes do tempo da  (ressurreição). Esse é o impacto da declaração de Paulo.
Mc Durmon sabia que ele teria dificuldade de afirmar uma encenação moderna e crescente dos anticristos no futuro. Ele sabia e admitiu que João falou de anticristos que vieram em seus dias, ou seja, no primeiro século e que era evidência de que a última hora havia chegado.
O que João diz que aconteceria na última hora? Todos os que estavam nos túmulos se levantariam. Esteve Mc Durmon consistente? Não.
Agora não faz sentido que, se a última hora do último dia tinha chegado no primeiro século, então o último dia tinha chegado? No entanto, Mc Durmon queria fazer João 5:28-29, uma discussão do último dia, quando nem sequer usar o termo. Por que ele não usar a mesma "última hora" argumentos que João e Paulo, os Apóstolos tinham utilizados? 


Preteristas parciais sobre Daniel 12:2 e João 5:28-29.
Qual é a fonte do ensinamento de Jesus em João 5:28-29? Não é Daniel 12:2-3? Não é a ressurreição dos justos e injustos? Não é a ressurreição dos que dormem no pó da terra, ou seja, que estão mortos? Não era sua ressurreição a ocorrer no final da época, Mat. 13:39-40? Joel não afirmar que o fim da "era" é a idade judaica terminou em 70 d.C?
Muitos Amilenistas como Gary Demar e Gentry estão no registro que Daniel 12: 2-3, é de 70 d.C. Mas Daniel 12:2-3 é João 5:28-29, Romanos 13:11-2, e Atos 24:14-15 e 2 Timóteo 4:1, para mencionar apenas alguns. Por que a incoerência? Esperemos que a próxima vez que Mc Durmon abordar o texto de João 5:28-29 que ele pode nos dizer por que a última hora do último dia é 70 d.C, mas o último dia está ainda no futuro? Como isso funciona?
Jó 19:25-26
McDurmon passou muito tempo em sua afirmativa dando uma exposição de Jó. Foi muito divertido em minha opinião, uma vez que não ofereceu muita substância para o argumento que ele usou.
Ele começou o argumento ao aceitar que o sentido do texto era difícil e um tanto ambíguo. Então, ele oferece a versão dúbia do texto para afirmar que a expectativa de Jó foi ficar na terra, o que implica uma ressurreição física no último dia "depois que sua carne" fosse para o pó, um dia em sua carne, ele iria ver a Deus.
A interpretação mais razoável do texto de acordo com pesquisa realizada por inúmeros estudiosos se reflete nas margens da maioria das traduções, incluindo aqueles que tornam o texto "na minha carne" verei a Deus, é, "fora da minha carne" verei a Deus. Em outras palavras, Jó afirma que após a vida nesse corpo, ou seja, depois de sua morte física, ele veria Deus "fora da sua carne" ou sem a sua carne. 

McDurmon, ofereceu várias interpretações possíveis, incluindo o que indicou Jó seria justificado e exonerado após seu sofrimento que vemos no final do livro. No entanto, essa interpretação não suporta o seu caso e que certamente não nega uma posição Preterista completa. Para construir um caso em um texto como questionável e exegeticamente como inconclusivos como Jó 19:26 é tanto um sinal de ingenuidade e desespero.
Nós não pretendemos sugerir que Mc Durmon é ingênuo. Ele é erudito! Completou todos os requisitos para o seu doutorado. No entanto, o grau acadêmico não pode protegê-lo alguém de ter mal argumentos ou fraco de entendimento.
Os eleitos e número limitado de Salvo
Talvez a pior argumentação já vista em todo o debate. Ele argumentou que Pedro, quando fala do último dia em 2 Pedro 3, escreveu aos eleitos. Então ele diz que os eleitos foram aqueles a quem Deus iria salvar até um dia ainda futuro inclusivo no último extremo da história presente. Isso é uma deturpação explícita das Escrituras!
 

Os Eleitos de I e II Pedro
Quem são os eleitos, a quem Pedro escreve? Ele escreve a segunda epístola para a mesma audiência que o primeiro, da Dispersão no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia. Estes eram os santos do primeiro século do remanescente de Israel que foram dispersos entre as nações a quem Deus chamou de volta através do evangelho de Cristo.
Eram judeus do primeiro século os membros da igreja reformada? Eles foram adeptos a Confissão de Westminster?
Ao admitir que Pedro escreveu aos eleitos, particularmente os do primeiro século, Mc Durmon mais uma vez, abandona sua afirmativa inteira e involuntária de sua doutrina reformada. Sua premissa, portanto, limita a única salvação para o restante de Israel carnal. No entanto, deve ser óbvio a partir Romanos 11, que o remanescente, isto é, os eleitos não eram os únicos e sim todos os ramos. 


É, como podemos ver os argumentos de Joel Durmon assim como o de qualquer parcial Preterista é cognominado de “raciocínio futurista” a velha escatologia enraizada do sistema religioso. 

Seguir por e-mail

Comentários recentes