Seja Bem Vindo ao Maior Portal de Estudos do Preterismo Completo do Brasil Para a Glória de Deus!

Postados até aqui...

Loading...

Translate

sábado, 23 de junho de 2012

"Aqueles dias" vs "Aquele dia": Há divisão em Mateus 24?


Aqueles que rejeitam Mateus 24-25 como um discurso unido sobre o fim da Idade Judaica oferecem uma série de argumentos para demonstrar uma divisão no assunto. Um dos principais argumentos é que quatro vezes em três versos diferentes Jesus refere-se a "naqueles dias" (Mateus 24:19,22,29). No entanto, nos é dito que no versículo 36, temos um contraste direto, quando Jesus diz: "Mas daquele dia e hora ninguém sabe". North (Um Opositor do preterismo completo) diz que "o verso 36 começa com a palavra" mas "o que sugere um contraste com o que se passou antes. Além disso Antes do versículo 34 Jesus usa 'dias' para se referir a seu tema principal, enquanto que após o versículo 34 ele fala no singular de 'naquele dia ". Jackson 9 Outro opositor) também observa esta distinção. Roy Deaver, diz: "Considerando que o Senhor vem discutindo naqueles dias”, ele agora faz a referência ao naquele dia. " O grego diz: "naquele dia." Obviamente, este é um texto de transição”.  Robert Taylor também acredita que "naquele dia" é uma prova positiva de uma mudança de assunto. O Kik pós-milenarista também enfatizou essa distinção: "aquele dia e hora" é uma expressão dá evidência imediata de uma mudança de assunto. Fica então claro que temos um confronto entre "Aqueles dias-vs-aquele dia". Será verdade que o sermão escatológico de Mateus 24, tratasse de dois diferentes assuntos? Este artigo irá examinar este argumento para ver se ele é válido.
 

Pressuposto básico
Uma das razões sobre uma distinção entre “aqueles dias” e “aquele dia” é visto por muitos comentaristas  por causa de uma ideia pré-concebida de que os discípulos pediram três perguntas sobre dois temas, a destruição de Jerusalém e o fim dos tempos. Com este pressuposto fundamental inquestionável o intérprete, em seguida, vê Jesus mudando de assunto no versículo 36.
A falácia básica nesta abordagem é a inobservância de contexto. No capítulo 23 Jesus havia predito um grande desastre para a cidade, vs 35-39. Ele disse que o julgamento estava chegando naquela geração, também declarou que o evento marcaria sua vinda, vs 39.
Os discípulos tinham acabado de ouvir o seu Senhor prever a sua vinda em que julgaria a sua geração e o templo. Eles imediatamente chamaram sua atenção para as grandes pedras e belas do Templo. Sua resposta foi a de repetir as suas palavras de condenação para aquele edifício incrível. Os discípulos então lhe perguntaram; “Quando sucederão essas cousas, e que sinal haverá de tua vinda e da consumação do século”. Onde está à evidência contextual no qual os discípulos tiveram de qualquer outro evento em mente que a Várias considerações sobre o assunto.
Consideraremos cuidadosamente algumas evidências que demonstram que o "naqueles dias" vs "naquele dia" não passa de um argumento inválido. Observe o fluxo contextual: No versículo 14 Jesus disse: "E este evangelho do reino deve ser pregado em todo o mundo, em testemunho para as nações, então virá o fim."
Note-se que os amilenistas geralmente concordam que o "fim" de que fala aqui é a queda de Jerusalém. Esses mesmos alunos também acreditam que o versículo 30, a vinda do Filho do Homem, refere-se à queda de Jerusalém. No entanto, esses mesmos “estudiosos” insistem em dizer que o "naquele dia” do verso 36 não tem referência ao "final" ou "a vinda do Filho do Homem"!
A implicação dos amilenistas é dizer com isso que os "naqueles dias" Nunca teve um final no "naquele dia." Isto implica logicamente em dizer que os "aqueles dias" não foram ainda o clímax do "naquele dia". Divorciar-se do "daquele dia" de "naqueles dias" é dizer "aqueles dias" nunca teve um fim.
Jesus disse que a sua vinda (singular) aconteceria depois "naqueles dias" - no plural. A vinda do Filho do homem foi o clímax do "daquele dia" para que "aqueles dias" levaram.
 

Esses dias e os sinais
Outra inconsistência na visão tradicional é visto quando se sustenta que se o versículo 36 fala da vinda de Cristo no final da Idade Judaica seria contradizer o ensinamento de Cristo "que ninguém, mas o Pai sabia o tempo de Sua vinda (Mateus 24: 36) ". North diz: "Ele havia dito aos discípulos... precisamente quando a destruição de Jerusalém seria. Durante a sua vida e que poderia ler o sinal do exército que se aproximava tão perto que eles poderiam escapar Mas da Sua vinda, ninguém sabe quando será - nem homem, os seus anjos, nem o próprio Jesus”. Aqueles que usam este argumento deixam de considerar alguns fatos básicos contextuais.
Jesus deu sinais, vss. 6-15, em que os discípulos pudessem conhecer que a sua vinda estava as portas, vs 32-33, e ele assegurou-lhes que seria naquela geração, vs 34. Em seguida, ele os advertiu que, embora eles pudessem conhecer que o evento estava perto, eles não poderiam conhecer o "dia nem a hora".
Leitor, Jesus disse "justamente" quando seria a queda de Jerusalém? Onde é que Jesus disse aos discípulos "justamente" quando a queda seria? Ele disse que eles poderiam saber que era perto, que ele ia ser naquela geração. Mas ele não disse a eles o dia ou hora. Se Jesus disse-lhes que a sua vinda em juízo sobre Israel ia ser digamos 7 de setembro de 70 d.C. este teria sido "preciso"? Dizer que eles não poderiam entender  pelos sinais quando estivesse perto como para exigir o seu retorno mesmo não sendo "precisamente" quando seria,  definitivamente não estaria em contradição com que "ninguém, mas somente o Pai sabia o tempo da Sua vinda" não! Pelo contrário, esta é apenas uma continuação de suas advertências para não ser enganado e preparar assim o palco para o dia do grande evento vs 42.
Jesus não podia dizer-lhes o dia nem a hora, mas eles deveriam estar sempre vigilantes e atentos pelos sinais. Aliás, o próprio fato de Jesus advertiu-os várias vezes para "ver" os sinais, era prova inequívoca que a observância desses sinais levaria a os ouvintes a entender que já era a última hora! Compare isso também com: I Tessalonicenses 5; Hebreus 10:25.
Levando em consideração as advertências de Jesus para assistir os sinais que precederam a sua vinda que não pode ser verdade que há um contraste entre "os dias" e "aquele dia" no texto de Mateus 24. "Aqueles dias" foram os dias em que os sinais aparecem, "naquele dia" foi o dia do retorno de Cristo nas nuvens.
 

"Mas"
Será que o fato de que o verso 36 começa com "mas" há assim um sinal de contraste no assunto? Aqueles que dividem o capítulo acreditam que sim. O Irmão Charles Geiser escreveu um excelente trato na unidade de Mateus 24 demonstrando que "mas" é uma conjunção e não uma preposição.  Então como conjunção, "mas" não é uma palavra de contraste, mas junta-se o que acaba de ser dito com o que está prestes a ser dito.
 

Mateus 24 e Lucas 21
Por último venho apresentar a mais comprovada prova deque não exista nenhuma divisão do vs 35 ao 36 de Mateus 24 pelo que diz o texto de Lucas 21:5-36:
“E, dizendo alguns a respeito do templo, que estava ornado de formosas pedras e dádivas, disse:
Quanto a estas coisas que vedes, dias virão em que não se deixará pedra sobre pedra, que não seja derrubada.
E perguntaram-lhe, dizendo: Mestre, quando serão, pois, estas coisas? E que sinal haverá quando isto estiver para acontecer? Disse então ele: Vede não vos enganem, porque virão muitos em meu nome, dizendo: Sou eu, e o tempo está próximo. Não vades, portanto, após eles. E, quando ouvirdes de guerras e sedições, não vos assusteis. Porque é necessário que isto aconteça primeiro, mas o fim não será logo. Então lhes disse: Levantar-se-á nação contra nação, e reino contra reino; E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu. Mas antes de todas estas coisas lançarão mão de vós, e vos perseguirão, entregando-vos às sinagogas e às prisões, e conduzindo-vos à presença de reis e presidentes, por amor do meu nome. E vos acontecerá isto para testemunho. Proponde, pois, em vossos corações não premeditar como haveis de responder; Porque eu vos darei boca e sabedoria a que não poderão resistir nem contradizer todos quantos se vos opuserem. E até pelos pais, e irmãos, e parentes, e amigos sereis entregues; e matarão alguns de vós. E de todos sereis odiados por causa do meu nome. Mas não perecerá um único cabelo da vossa cabeça. Na vossa paciência possuí as vossas almas.
Mas, quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei então que é chegada a sua desolação. Então, os que estiverem na Judéia, fujam para os montes; os que estiverem no meio da cidade, saiam; e os que nos campos não entrem nela. Porque dias de vingança são estes, para que se cumpram todas as coisas que estão escritas. Mas ai das grávidas, e das que criarem naqueles dias! porque haverá grande aperto na terra, e ira sobre este povo. E cairão ao fio da espada, e para todas as nações serão levados cativos; e Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos dos gentios se completem. E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas.
Homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo; porquanto as virtudes do céu serão abaladas. E então verão vir o Filho do homem numa nuvem, com poder e grande glória.
Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima. E disse-lhes uma parábola: Olhai para a figueira, e para todas as árvores;
Quando já têm rebentado, vós sabeis por vós mesmos, vendo-as, que perto está já o verão. Assim também vós, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que o reino de Deus está perto. Em verdade vos digo que não passará esta geração até que tudo aconteça. Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não hão de passar. E olhai por vós, não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia. Porque virá como um laço sobre todos os que habitam na face de toda a terra. Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas estas coisas que hão de acontecer, e de estar em pé diante do Filho do homem.” Lucas 21:5-36
Observe; vemos nesse texto o mesmo argumento escatológico de Mateus 24, onde distingue “os dias” do “daqueles dias” biblicamente falando. O templo judaico, a cidade santa seria arrasadas vs 5-6,20. Era o dia de vingança que chegaria sobre os apóstatas judeus vs 22. (Aqueles dias) deposi desses dias viria O DIA EM QUE SE VERIA O SENHOR VINDO NAS NUVENS vs 27,O DIA DA REDENÇÃO vs 28, (Aquele dia)

Outra duas cousas também são importante nessa ocasião; não era a queda de Jerusalém um evento apenas de repercussão local vs 35 e a outra observação são os disseres do verso 36 “Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para que possais escapar de todas estas coisas que hão de acontecer, e estar em pé na presença do Filho do homem”.
Lucas estava se referindo a o quê quanto a respeito das cousas que em breve aconteceriam o qual se deveria se manter em vigilância? “O aquecimento global?” a “Superpopulação do planeta terra?”o enrriquecimento de Urânio pelo Irã? a atuação do papado no mundo ? a A lei Patient Protection and Affordable Care Act (PPACA), aprovada pelo congresso americano que exige que todos os homens sejam microchipados? ...
Óbvio que não! Uma análise fiel do texto não permite tal argumentação. As coisas que aconteceriam seria na verdade as tribulações “daqueles dias” e o fim; “aquele dia” em que o Senhor viria e a redenção seria adquirida pela Igreja.

Conclusão
Acredito ter mostrado com bastante precisão que em Mateus 24:36, quando Jesus disse: "Mas daquele dia e hora ninguém sabe," na verdade é o clímax dos "naqueles dias" encontrados nos versos antecedentes, levando até a dissolução final da o velho céu e a Terra de Israel com o retorno do Messias no ano 70 d.C.

Soli Deo Gloria


Escrito por Don Preston e adaptado por Erivelto Soares

Um comentário:

Rivaldo josé dos Santos disse...

Gostaria de ter a explicação do vs que diz "Então verão vir o filho do homem em uma nuvem, com poder e grade gloria". Lucas 21;27

Seguir por e-mail

Comentários recentes