Seja Bem Vindo ao Maior Portal de Estudos do Preterismo Completo do Brasil Para a Glória de Deus!

Postados até aqui...

Loading...

Translate

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Deixando a Arca da Aliança para trás.

Em meios as minhas pesquisas pelos sites de busca na internet, revela que existem mais de mil sites dedicados ao estudo sobre a Arca da Aliança. Os locais variam de fervorosos crentes e ateus. Você vai encontrar reivindicações, como os de Ron Wyatt, por exemplo; dizendo que a arca pode ser encontrada em uma caverna debaixo do Gólgota. Outros afirmam que a arca está na Etiópia, enquanto os mórmons alegam que a arca esta em Utah. Entre outros.

A Palavra de Deus sobre a Arca
A Arca da Aliança desempenhou um papel fundamental na história de Israel. Era por meio dela que Deus se comunicava com o seu povo (Êxodo 25:10-22), era a presença de Deus no tabernáculo e depois no Templo. Ela também garantiu várias vitórias para o pode Hebreu por exemplo em Josué 6, como não o fez outras ocasiões, Devido ao pecado de Israel (1 Samuel 5).
Por um período de tempo a Arca não tinha um local permanente até que  Davi finalmente conseguiu trazer a Arca para Jerusalém, onde Salomão construiu um templo fantástico, a Arca foi trazida com grande pompa e ali ficou oficialmente (2 Crônicas 5) . Nos dias de Jeremias, os babilônicos Estavam prestes a invadir e destruir Jerusalém, o Templo iria sofrer um destino semelhante, e isso significava que a Arca da Aliança também estava em iminente perigo. O que estava a acontecer com esse símbolo sagrado da presença de Deus? Em uma notável profecia que lamentavelmente é ignorada em grandes partes dos estudos, Jeremias faz uma promessa que diz o seguinte:
“Convertei-vos, ó filhos rebeldes, diz o SENHOR; pois eu vos desposei; e vos tomarei, a um de uma cidade, e a dois de uma família; e vos levarei a Sião. E dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência. E sucederá que, quando vos multiplicardes e frutificardes na terra, naqueles dias, diz o SENHOR, nunca mais se dirá: A arca da aliança do SENHOR, nem lhes virá ao coração; nem dela se lembrarão, nem a visitarão; nem se fará outra. Naquele tempo chamarão a Jerusalém o trono do SENHOR, e todas as nações se ajuntarão a ela, em nome do SENHOR, em Jerusalém; e nunca mais andarão segundo o propósito do seu coração maligno. Naqueles dias andará a casa de Judá com a casa de Israel; e virão juntas da terra do norte, para a terra que dei em herança a vossos pais. (Jeremias 3:14-18).

Há diversos elementos constitutivos desta profecia.
Primeiramente, esta é uma profecia messiânica, uma vez que fala da época em que Judá e Israel seriam reunidos e restaurados.
Em segundo lugar, a profecia diz enfaticamente que o tempo previsto era uma época em que Jerusalém não seria mais a "capital-centro do mundo", pois, Homens deixariam de viajar para Jerusalém em busca de adorar a Deus no templo.

Terceiro, não somente os homens deixariam de viajar a Jerusalém para adorar, como eles também iriam esquecer a Arca da Aliança, como o foco de sua Devoção! Na verdade, não somente os homens iriam esquecer "a Arca”, mais que ela nunca seria vista novamente! A importância desta profecia para o paradigma milenar Dificilmente pode ser demasiadamente enfatizado.
O argumento fundamental do dispensacionalísmo sobre isso é que no futuro milenar, o Templo será reconstruído, a Arca da Aliança seria restaurada, e Jerusalém voltaria a ser a capital do mundo. Vamos dar uma olhada em algumas das questões em jogo aqui.

Jerusalém Esquecida e Jerusalém Glorificada: Um enigma Ignorado
Jeremias nos apresenta uma aparente contradição. Por um lado, ele diz que no tempo previsto, homens deixariam de ir a Jerusalém para adoração, e que a Arca da Aliança, “não seria vista”, recordou. Este é um conceito tão revolucionário que é preciso ser lembrado de que a Arca fora por muito tempo o batimento cardíaco de Israel, e agora Jeremias vem profetizando que o tempo estava chegando quando, Jerusalém e a Arca ficaria esquecida! Realmente é uma profecia absolutamente incrível! No entanto, não é a primeira vez que tal previsão foi feita.
Em Isaías 66:1 Deus desafiou Israel "O céu é o meu trono, a terra é o estrado dos meus pés. Onde está à casa que vocês hão de me edificar?" Este desafio a Israel devia fazer Israel perceber que seu templo, não importa o quão glorioso que tinha sido, ou haveria de Tornar-se um dia, não seria determinante no propósito de Deus. A arca no templo era na verdade uma sombra das melhores coisas que haveria de ser. Mas, tragicamente, Israel preferiu pendurar-se no visível, o tangível, como sombras. Quando Estevão se atreveu citar as palavras de Deus de Isaías 66, enquanto em pé na presença do magnífico templo de Herodes, os Judeus não Poderiam suportá-lo. Eles mataram Estevão por citar as palavras do próprio Deus! (Atos 6 e 7) O ponto principal disso tudo é que, quando Jeremias predisse o tempo em que Jerusalém e o templo viria a ser removidoa, ele não foi o primeiro a fazê-lo e, no entanto, os nossos amigos hoje dispensacionalistas, assim como os Judeus de outrora, insistem em uma reconstrução do que Deus nunca designou a ser permanente.
Mas ainda estamos apresentando com uma aparente contradição. Como poderia Jeremias Prever uma predição de glória para Jerusalém, enquanto que ao mesmo tempo, estava prevendo a ruina de Jerusalém? Essa contradição é apenas aparente, pois é compreendido através da predição conforme vemos abaixo:
Isaías 2-4. Por um lado, "a lei sairá de Jerusalém" (2:3 ), mas por outro lado, os homens de Israel iriam cair "pelo fio da espada" (3:25), quando a fome e a peste Ultrapassar a cidade (3:1).

Isaías 24-29. A "cidade da confusão" ( 29:1), seria destruída (24:10).
Agora, se esta é uma previsão da destruição literal do céu e da terra (Isaías 24:3, 19), e Sião literal seria totalmente aniquilada, como seria Possível para o Senhor governar em Sião literal?
Isaías 65:12-13. Deus prometeu "o senhor vai matar todos, e chamar o seu povo por um novo nome”. No entanto, "Eu crio para Jerusalém uma alegria". (v. 17-18).
Zacarias 12-14. Zacarias apresenta o que é considerado por alguns um depoimento confuso sobre o destino de Israel. Por um lado, Jerusalém seria destruída (14:1). Por outro lado, o Senhor seria rei sobre toda terra (12:9); fluxo de águas vivas sairia de Jerusalém, após sua destruição (14:8).
Existem outros exemplos do Antigo Testamento deste cenário. O Novo Testamento não é.
Na verdade os escritores do Novo Testamento nos dizem repetidamente, tudo aquilo que foram manifestos aos profetas, que Jerusalém seria destruída e que ao mesmo tempo ela seria reedificada. Levando a uma esperança daquilo que seria perdido. (Atos 24:14; 2 Pedro 3: 1 etc.) Então, de alguma forma, de alguma maneira, a esperança escatológica de Israel envolveu a sua destruição final da Velha cidade e a revelação e a glorificação da Nova cidade.
““Em Gálatas 4:22, Paulo fala de “Jerusalém” e agora é que está em escravidão com seus filhos “, em contraste com uma” Jerusalém que está acima, que é a mãe de todos nós ".
Filipenses 3. Paulo contrasta a cidadania "(literalmente cidade “casa” ) que está no céu, com as coisas da Antiga Aliança de Israel.
Hebreus. No capítulo 12-13, o autor contrasta a antiga glória do Pacto de Israel, em seguida, Apresentar a nova Jerusalém. Ele lembrou a seus leitores que eles não haviam subido ao Monte Sinai, mas Sião, a Jerusalém celeste, e, temos aqui nenhuma cidade permanente, mas”aguardamos ansiosamente o que está para vir" (Hebreus 12:18- 13:20).

Revelação é o conto de duas cidades.
Como você pode ver, há um contraste entre a escritura da Cidade na Velha Aliança que estava a perecer, e a cidade da Nova Aliança, que é triunfante, revelada como a verdadeira Cidade de Deus. Esta é a única explicação plausível, sustentável para Jeremias 3. Jeremias foi por um lado, prenunciando o momento em que Jerusalém, o Templo e a Arca perderiam suas centralidades. No entanto, a Jerusalém celeste seria revelada e glorificada. Este contraste entre as cidades é realçado ainda mais com o que diz Jeremias.

Para visitar ou não visitar?
Perceba que Jeremias disse que no dia em que Jerusalém foi glorificada, e isso seria quando Judá e Israel seriam reunidos, os homens deixarão de viajar para Jerusalém para adorar. Agora, já que esta é definitivamente uma profecia messiânica, esta previsão representa um desafio muito sério para uma exibição milenar. Deve ser lembrado que, no paradigma milenar, Baseada em uma interpretação incorreta de Zacarias 14, todos os homens, gentios e Judeus, deveriam viajar a Jerusalém para adorar Cristo. A viagem para participar no culto do templo era preciso a todas as nações, pois se não fizessem isso morreriam. Então, aqui está o dilema. Os amilenistas Aplicam a profecia de Jeremias 3 a um milênio. No entanto, Jeremias 3 retrata de um momento em que os homens já não irão a Jerusalém para adoração, pois a Arca da Aliança foi teologicamente insignificante! Isto contradiz a visão milenar de curso, por milenarismo porque, se todas as nações não viajar a Jerusalém para adorar, com a Arca da Aliança, como parte dessa Devoção, eles vão morrer. Assim, a pergunta é a vista. Qual é o certo? Os homens vão a Jerusalém para adorar e honrar a Arca da Aliança, ou eles não vão?
Jeremias é enfático. Os homens já não irão a Jerusalém. Os homens já não honram a Arca se, pois, Jeremias 3 descreve o reino milenar, em seguida, evidentemente, a Arca da Aliança não tem lugar em nenhum milênio! Para dizer no mínimo, isso é destrutivo para uma visão milenar.
Não há como escapar da predição de Jeremias. Os milenaristas devem reaver a sua ênfase sobre a Arca da Aliança, Jerusalém e do Templo, ou, eles Devem encontrar uma maneira de fazer Jeremias 3 Aplicam-se algum tempo e outros eventos do que seria o reino milenar. Porém Isso jamais poderia ser feito. A ênfase atual sobre a redescoberta da Arca da Aliança é equivocada, teologicamente irrelevante, e profeticamente insignificante, escatologicamente inválida. Todas as tentativas para encontrar a Arca estão Condenadas ao fracasso.

Jesus e Jeremias
Jeremias falou de uma época em que Jerusalém não seria mais validada para que os homens fizessem peregrinações. Significativamente, Jesus disse a mesma coisa! Em João 4, Jesus conversando com uma samaritana, ele lembrou que uma controvérsia atual existente entre Judeus e Samaritanos, que uma montanha era o verdadeiro monte de Deus? Os Samaritanos alegaram que Gerezim  era o local correto de adoração, embora seu templo houvesse sido destruído anos antes. Os Judeus alegaram que Jerusalém era o centro teológico do mundo (Salmo 50; Ezequiel 5). Leia as palavras de Jesus então para a samaritana:
"Mulher, acredita em mim, está chegando a hora em que você nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai.. Vós adorais o que não sabe. Nós sabemos o que adoramos, a salvação vem dos Judeus. Mas vem a hora é, e é agora, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade, pois o Pai procura essa adoração para Ele ". Jesus estava predizendo uma coisa Idêntica Jeremias.
O ponto é que Jeremias não estava prevendo um momento em que os homens teriam nenhuma recordação mental que a Arca tinha existido em algum momento no passado. O ponto é que a arca perderia seu significado de aliança, e é esse significado de aliança que não seria lembrado.
Temos de considerar uma das ramificações da restauração da Arca de paradigma milenar.
O que representava a Arca? Naturalmente o que representava a presença do Senhor (Êxodo 25:10-22). No entanto, pensar no que foi chamado: a Arca da Aliança. Isto é muito importante e, no entanto, tem recebido pouca atenção.
A Arca da Aliança representava, o Pacto Mosaico. A Arca continha as duas Tábuas da Lei (1 Reis 8:9), e sem dúvida nenhuma, das tábuas foram o próprio símbolo da aliança Mosaica. Por que isso é importante?
Pois os Amilenistas não acreditam que a Lei Mosaica  será restaurada no Reinado milenar de Cristo, embora, como vimos, eles acreditam que a Arca da Aliança será restaurada. Mas aqui está o problema. Se a Arca da Aliança, é a Arca da Aliança Mosaica, e restaurada será em um milênio, por que não o Pacto que a Arca representava seria restaurada? A arca, portanto nunca representou uma Nova Aliança  ela apenas representou o Pacto Mosaico. Portanto, parece incongruente, na melhor das hipóteses, para falar da Restauração da Arca da Aliança Mosaica, enquanto Ao mesmo tempo, Insistindo em que a Arca da Aliança, que representava não será restaurado.
Tudo isso é problemático para uma visão milenar. De acordo com os dispensacionlistas, será restaurada a Arca, na restauração de Jerusalém, com o culto restaurado, e no coração, no núcleo de tudo isso é o Pacto. A Arca é ensinada que é para ser o símbolo de Israel restaurado. Assim, para os amilenistas, a Arca, quando foi perdida , um dia vai ser restaurada para uma POSIÇÃO de destaque da aliança. Isto é uma Violação direta da profecia de Jeremias. O Profeta de Deus disse que a Arca da Aliança, a Arca da Aliança Mosaica, não seria lembrada. No entanto, os nossos amigos insistem que em uma era milenar a Arca será "lembrada", enquanto que ela representava não será lembrado. Isto é ilusório para dizer o mínimo.

Não Deve Ser Construído de novo
Não só Jeremias Previu que em um momento da história cessaria a peregrinações a Jerusalém para visitar a Arca e a lembrança da Aliança da Arca cessariam como também ele disse que, na verdade, a Arca da Aliança deixaria de existir. Observe novamente a última parte de Jeremias 3:16, na versão King James: "Nem Deve ser feito mais". A versão King James diz simplesmente "Que Nem DEVE ser feito mais", indicando que todas as Peregrinações a Jerusalém, a Arca cessariam. No entanto, uma análise das traduções em minha biblioteca tem mostrado pouco apoio para a "versão autorizada". (KJV). Minha pesquisa Revelou que, de longe, a tradução preferida é "não DEVE ser feito mais". Este se encontra no padrão americano, o New American Standard, a revista Nova, A Bíblia de Jerusalém, uma Bíblia amplificada, e a tradução judaica. Há, sem dúvida, outras traduções, mas estes são os únicos disponíveis para mim. Assim, a evidência é que a tradução Deve ser: "não será feito mais", indicando que a arca seria levada  e nunca encontrada. Charles Dayer, o comentador dispensacionalista popular diz o seguinte sobre Jeremias 3: "A Arca da Aliança, que foi perdida após Babilônia ter destruído Judá, não seria procurada e nem uma outra arca não seria feita. Se a Arca foi destruída em 586 a.C, e Deus disse que não iria ser construída novamente, não é sábia a atitude dos "Os Caçadores da Arca Perdida", de não só encontrar  a Arca, como também, coloca-la no Centro da cidade?
Assim, em última palavra profética de Deus, a Arca da Aliança não é um templo restaurado. Não é na terra. Não é o foco da peregrinação terrena. Não há nenhuma referenci sobre a Arca da Aliança em Apocalipse que dá credibilidade à vista milenar de seu aparecimento. Em Apocalipse, os homens já não se lembra literal da Arca da Aliança, não viajam para Jerusalém literal para visitá-lo, e ele não foi reconstruído de novo.

Conclusão
Jeremias 3 é uma profecia messiânica. Isto é admitido pelos autores dispensacionalistas que apelam a Jeremias, para a descrição do milênio. No entanto, de acordo com Jeremias, no Reino Eterno:
- Os homens já não viajariam a Jerusalém para visitar a Arca,
- Os homens já não se lembrariam da Arca pactualmente,
- A Arca nunca seria reconstruída novamente.
- Além disso, no Apocalipse, a última palavra profética de Deus, a Arca da Aliança não é restaurada.
Não é uma cidade terrena ou templo, que está no céu, e não há romarias para visitá-lo. O que Jeremias previu não cabe em nenhuma descrição moderna dispensacionalista do reino! Não existe nenhum acordo entre o Jeremias e a moderna visão dispensacionalista da Arca da Aliança. Na verdade, Jeremias 3 é uma contradição pura e simples da visão milenar da Arca da Aliança. É triste quando uma doutrina moderna deve ignorar ou distorcer, o testemunho das Escrituras, a fim de sustentar-se. Mas, é precisamente isso que o dispensacionalísmo tanto histórico como o moderno faz em relação à Arca da Aliança.


Soli Deo Gloria

Um comentário:

Anônimo disse...

Com certeza, a lei mosaica estava dentro da arca, simbolizando o Juízo de Deus no final da história, por isso, ninguém podia tocar na arca sem ser fulminado pelo juízo divino, significando também que todo aquele que invoca a lei, será julgado com o mesmo rigor, como disse Jesus.

Muito ao contrário, a nova aliança da graça em Jesus Cristo, invocada pelo perdão (misericórdia) mediante a fé, tem como consequencia o perdão e vida eterna.

Seguir por e-mail

Comentários recentes