Seja Bem Vindo ao Maior Portal de Estudos do Preterismo Completo do Brasil Para a Glória de Deus!

Postados até aqui...

Loading...

Translate

quinta-feira, 5 de maio de 2016

"O tempo do fim" – O que os discípulos queriam saber sobre a consumação do século?

Por: Por Michael J. Sullivan
Tradução: Erivelto Soares

"E, estando assentado no Monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos em particular, dizendo: Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e da consumação do século?" Mateus 24:3


Todos os futuristas e dispensacionalistas ao ler a passagem de Mateus 24:3, observam que os discípulos estavam confusos em associar a vinda de Jesus com o final da era mosaica na destruição do templo. Essa é um dos questionamentos feito pela tradição religiosa há muito tempo. Mais ao olhar criticamente o verso seguindo a linha contextual, observamos que os discípulos estão na verdade ligando os acontecimentos em um único evento. Veja que Jesus ao responder aos discípulos, Ele faz uma abordagem na resposta sob esse único evento! Vamos então examinar hermeneuticamente o texto e entender melhor essa questão. 

Os judeus do tempo de Jesus entendia muito bem a frase "consumação do século" se referindo a velha aliança de Moisés e os profetas e a "era por vir", como o novo pacto ou idade Messiânica.

No livro de Daniel a consumação dos principais eventos escatológicos podem ser encontrados nos capítulos 7, 9 e 12. Daniel ligou o evento escatológico com a desolação do templo, a ressurreição, a tribulação, a vinda de o Filho do homem e com a chegada do reino, a ter lugar quando a cidade e o templo estivessem sido destruídos - ou "quando o poder do povo santo seria completamente destruído" "todas estas coisas" (não alguns delas) seriam cumpridas em conjunto (cf. ver as cenas de consumação em Dan. 12: 1-7; Dan. 7: 13-14, 18, ​​27; 9: 24-27).

Em Mateus 13: 39-43, 51  Jesus ensinou que o julgamento e a ressurreição teriam lugar no final de sua antiga aliança. Jesus especificamente pergunta se eles entenderam sobre o "aquela era." ensinando sobre o momento da presente colheita no final de sua "era", e eles enfaticamente responderam "Sim" (vs. 51).
Jesus já tinha ensinado que Ele voltaria em algum momento das suas vidas (Mateus 10: 22-23; 16: 27-28 / Marcos 8: 38-9: 1).

Jesus já tinha lhes ensinado também que todo o sangue do justo Abel seria vingado quando o templo estivesse sido destruído em sua geração "esta geração " (Mateus 23: 30-36, 38). Isaías no seu "pequeno apocalipse" (Isaías 24-28) coloca todos os eventos escatológicos (Fim da aliança, vingança do pecado da culpa de sangue, o sopro da trombeta, a ressurreição, etc ...) a ter lugar junto quando o templo estivesse destruído como está escrito: "...quando ele fizer a todas as pedras do altar como pedras de cal feitas em pedaços..." (Isaías 27: 9).

Assim, antes mesmo de chegar em Mateus 24, os discípulos poderiam de fato ter discernido a partir dos profetas como Daniel e Isaías, que todos os eventos escatológicos seriam cumpridos quando o templo estivesse destruído. O registro afirma claramente que os discípulos compreenderam o ensinamento de Jesus sobre "a consumação do século" ou o fim de sua "era." E, finalmente, Jesus já tinha ensinado a eles que alguns deles viveria para testemunhar seu retorno e a destruição do templo. Portanto, eles não estavam errados para associar e conectar a sua vinda (Parousia) com a consumação do século na destruição do templo!

Milton Terry escreveu a respeito do ensinamento de Jesus sobre o "fim dos tempos" no discurso no monte das Oliveiras  e no resto do N.T (como Hebreus 9: 26-28) e disse:
"O fim dos tempos, o encerramento da época ou idade, ou seja, a era judaica ou dispensação da lei falam a respeito desse fim que se aproximava sobre as ruínas do templo como nosso Senhor frequentemente intimou a sua geração. Todas essas passagens que falam de 'final' ', o fim dos tempos”, ou" os fins dos séculos”, se referem à mesma consumação, e sempre como perto. O escritor considera o ministério de Cristo como tendo lugar perto do fim do “aion”, ou período da dispensação judaica.  Supor que ele quis dizer que era perto do fim do planeta terra, ou a destruição do mundo material, seria fazê-lo escrever uma história falsa, bem como uma má e grotesca gramática. Não seria verdadeiro o fato para o mundo (aion) dura mais tempo, pois a encarnação do verbo era o tempo final para a duração da dispensação mosaica, dês de o êxodo para a destruição do templo. Com isso por tanto é inútil dizer que o "fim do mundo" pudesse significar um período prolongado, que se estendesse desde a encarnação do verbo até o nosso tempo, e até mesmo muito além desse tempo. Isso seria uma eternidade, e não o encerramento de um “aion”. O “aion” do qual nosso Senhor estava falando era de um fim de uma grande catástrofe! E uma catástrofe não é um processo demorado, mas um ato definitivo e culminado. 
Referencia literária: "Milton S. Terry, bíblico HERMENÊUTICA Um Tratado sobre a Interpretação do Antigo e do Novo Testamento, (Zondervan Publishing House, 1986), 441-442.

Portanto, Mateus 24:3 é de fato o entendimento dos discípulos a cerca de Cristo vindo em julgamento sobre antiga aliança em derramamento de sua ira sobre  Jerusalém no verão de 66 d.C - 70 d.C para trazer um fim à velha aliança (não o planeta Terra ou para terminar a era da Igreja). Logo os futuristas e os dispensacionalistas  são os  únicos confusos sobre os ensinamentos de Jesus no Sermão do Monte e não os discípulos. Tendo estabelecido que o discurso é sobre o fim da velha aliança e não a história do mundo ou o planeta terra, podemos facilmente ver como todas essas coisas seriam cumpridas em Jesus e seus contemporâneos 30 d.C - 70 d.C "esta geração " (Mateus 24: 34).

Soli Deo Gloria!


Um comentário:

Alexander Chimenes disse...

Excelente texto! muito esclarecedor, Parabéns!

Seguir por e-mail

Comentários recentes